Mulheres da Bíblia: As Filhas de Salum

Este conto está baseado no livro de Neemias, especificamente no versículo 12, do 3º capítulo:
“Salum, filho de Haloés, governador da outra metade do distrito de Jerusalém, fez os reparos do trecho seguinte com a ajuda de suas filhas.” Neemias 3:12
Trata-se de um fanfic gospel. Boa leitura!

As Filhas de Salum

Salum estava rodeado com sua família à mesa após o jantar. Eles celebravam a possibilidade de ver os muros de Jerusalém reconstruídos:

— Hoje tenho para vocês a mesma história e uma nova história.

— Amamos ouvir suas histórias, papai. – Falou Itiyah impetuosa como sempre.

— Yaweh tem concedido muitos presentes a mim. – Continuou ele – Minha querida esposa, minha riqueza, meu bem precioso e meu suporte todos esses anos. – Ele segura sua mão, ela reclina levemente a cabeça – Após dois anos de casados sem um sinal sequer de gravidez Yaweh nos alegra com nossa primeira filha, Leora.

Leora abre seu melhor sorriso.

— Quando a olhamos pela primeira vez nossos olhos estavam iluminados e marejados de lágrimas, é verdade. Leora, querida filha, sua vida ilumina nossas vidas. – Virando-se para sua segunda filha Salum continua – E você querida Afra, surgiu em nossas vidas na mesma velocidade que uma corça foge de seu caçador. Em tudo se desenvolveu mais rápido que todos nós juntos.

— Ora, papai! Yaweh quem colocou asas em meus pés.

Eles riram.

— Com essa sabedoria você vai tão longe quanto ela te impulsionar, Afra. – Olhando para o lado oposto da mesa ele fala carinhosamente à sua terceira filha – Minha filha, Chaya, tão sossegada quanto minha vida poderia ser. Você nos lembra de como podemos atingir a perfeição um passo por vez.

E como sempre ao virar-se para sua última filha Salum sua voz embargava um pouco, mas o sorriso estampado no rosto expressava sua alegria autêntica.

— Itiyah, Yaweh sempre esteve contigo. Vossa querida mãe teve dificuldades desde a sua gestação, o parto foi traumático, felizmente Yaweh deu forças para ambas resistirem.

Após limpar os olhos Salum finaliza seu discurso:

— Yaweh tem me retribuído muito mais do que fiz a Ele. O grande Aba me concedeu uma capacidade para construções que tenho aperfeiçoado com cuidado e muito trabalho. Neemias, filho de Hacalias, juntamente com os príncipes de Judá designaram a mim como o responsável pela construção dos muros a oeste de Jerusalém. Cada homem sob meu comando reuniu seus filhos para cooperarem. Eles estão dispostos e eu tenho visto a mão poderosa de Yaweh a nosso favor.

— Mas, papai… – Itiyah interrompeu – Não podemos ajudar? Estamos sempre juntas em seu trabalho, com um pouco de determinação podemos levantar uma parte do muro.

Salum deu uma boa gargalhada, mas não por desconsiderar a proposta de sua filha, na verdade ele se sentia honrado de, na ausência de filhos homens, poder contar com a boa vontade de suas filhas.

— Quantas toneladas de pedra consegue carregar, querida Itiyah?

Leora interviu:

— Podemos contratar ajudantes, mas estamos no mesmo empenho dos demais filhos de Jerusalém!

Salum vira para suas outras filhas:

— E vocês duas estão de acordo?

Afra e Chaya concordaram com a cabeça.

No dia seguinte a movimentação em Jerusalém recomeça. Nada os abatia. Nem a falta de apoio dos príncipes de Tecoa rejeitando a liderança dos responsáveis pela construção Salum e Refaías, filho de Hur. Nem as constantes ameaças de Sambalate, Tobias e seu motim armado.

O dia era corrido, a mãe preparava as refeições e as quatro se organizavam de maneira a não sobrecarregar umas as outras e principalmente a seu pai.

Leora com sua praticidade tinha ideias, à primeira vista, mirabolantes, mas que adiantavam a dinâmica da obra.

Afra estabelecia um cronograma com o passo-a-passo dos ensinos de seu pai, organizando e distribuindo ordens aos empregados.

Chaya, perfeccionista como era, se esmerava em verificar o alinhamento do muro e em evitar desperdícios.

Itiyah, muito dinâmica, incentivava com vivacidade a todos, oferecia sempre um copo de refresco quando o sol estava a pino e também servia a todos como uma anfitriã na hora de comer.

À noite mesmo cansadas abriam seus corações na privacidade do quarto. Afra sempre iniciava a conversa com seus comentários filosóficos:

— “Como a cidade derrubada, sem muro, assim é o homem que não pode conter o seu espírito.”

— Uh! Provérbio do rei Salomão. – Leora se interessa.

E Afra continua:

— Não importa o quão grande seja o trabalho de manter o espírito contido, é melhor que ser humilhado com a devastação total da honra.

— Você está dizendo isso por causa do estado da cidade ou de nós mesmas? – Intervém Itiyah.

— Tudo. É um contexto só.

— Felizmente a nossa sorte está mudando. O templo foi restaurado. E nossa comunhão com Yaweh também.

Chaya a mais calada sussurrou:

— Eu tenho medo da guerra.

Itiyah afoita a encoraja:

— Chaya! Você não ouviu como oramos, junto com Neemias, para Yaweh nos livrar? Não viu a guarda de HOMENS que eles puseram?

— Eu só não quero que tenha guerra. Nosso pai teria de ir e dessa vez não poderíamos acompanhá-lo.

— Bom, em breve lhe daremos genros…

Elas abafaram uma gargalhada. Afra conclui o seu discurso:

— Há alguns inimigos que querem abalar, rachar e destruir a proteção de nosso relacionamento com Yaweh. Num combate entre: inimigos versus Yaweh, sabemos quem é mais forte.

— Vigilância! – Arrematou Leora.

Depois de um momento de silêncio, Itiyah fala com os olhos vidrados:

— Amanhã eu vou usar minha aljava e arco.

As garotas riram.

À medida que a construção da muralha continuava, a restauração no coração de cada uma delas também avançada. Ao expor seus temores, dúvidas, anseios diante Daquele que tudo via e sabia, elas aprendiam que a vida estaria em construção contínua.

Anúncios

3 comentários

  1. Ena Caren · outubro 29, 2014

    Que linda história, minha irmã! Que o Senhor Deus, nosso Yaweh continue te inspirando! 😀 😀

    Curtir

  2. Rute · novembro 1, 2014

    Fui transportada para Jerusalém com sua história, amada!A gente fica querendo mais…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s