Bate-Seba

Bate-Seba

Por Francine Rivers

[…]

Ela esperou que Davi a chamasse de novo, mas isso não aconteceu. Observava atenta o terraço do palácio, mas ele não aparecia ali. […] Ela tentava se convencer de que Davi andava muito ocupado com os problemas do Estado, mas o ciúme e a mágoa a dominavam. Sua imaginação a atormentava. Quem estará em seus braços esta noite? Ainoã? Abigail? Ou será que Davi perdera todo o interesse por suas esposas e concubinas? Quantas outras mulheres nesta cidade já não levantaram os olhos para o belo rei, passeando no terraço do palácio, e ansiavam em aquecer sua cama? Bate-Seba podia se lembrar das outras meninas nos acampamentos, sempre contemplando Davi com adoração, acalentando sonhos com ele.

Davi poderia ter qualquer uma que quisesse. Antes mesmo que se tornasse rei, as mulheres já se apaixonavam por ele.

Bate-Seba passou a experimentar arrependimento e medo, à medida que os dias se passavam. Se ao menos tivesse fugido para a privacidade do interior da casa naquele dia… Se não continuasse o banho, de uma maneira tão despudorada, expondo-se àquela angústia interminável… Não podia culpar ninguém, senão a si própria, pelo que sofria agora. Fora de bom grado para a cama de Davi. Estava convencida de que o amor era a causa de sua entrega a Davi, seu deus.

Por que não pensara na Lei antes de se entregar? Davi assegurara que nenhuma pedra seria atirada contra ela. Mas o que ele poderia fazer se os sacerdotes a condenassem? Pois, se a ligação ilícita se tornasse conhecida, Bate-Seba não tinha ilusões sobre quem arcaria com a culpa. Davi era um rei amado. E ela não passava de uma mulher desamparada…

Adultério! Cometera adultério! Como fora capaz de fazer isso, depois de ser criada pela mãe, por seu pai e pelo avô, que se apegavam à Lei de Moisés com tanta devoção?

Eles me matarão se algum dia descobrirem!

Passaram-se três semanas e ela não recebeu qualquer chamado do palácio, nenhuma mensagem ou indicação de qualquer atenção do rei Davi. Com que facilidade ele a abandonara!

O período de sua menstruação não se confirmou. O terror invadiu-a. Depois de tantos anos tentando em vão conceber um filho de Urias, engravidava em uma única noite nos braços de Davi! Por que agora? Por que nessas circunstâncias? E o que ela faria? […]

Bate-Seba lamentava o silêncio de Davi. Apavorava-se ao pensar no que Urias faria quando descobrisse que ela o traíra. Que defesa tinha? Davi não a arrastara para o palácio gritando e esperneando.

Nunca desejara magoar Urias. Era um bom homem, um marido gentil e generoso. Mas as carícias de Urias não surtiam o mesmo efeito que as de Davi. […] Bate-Seba pensara que teria lembranças maravilhosas daquela noite de amor, que pudessem durar uma vida inteira. Em vez disso, no entanto, sentia-se atormentada. O fogo que Davi ateara nela ameaçava transformar sua vida em cinzas. Sentia-se abandonada, aterrorizada com o futuro. Transbordara de amor por ele. Despejara-se como vinho numa taça ao oferecer-se a Davi, seu rei e ídolo. Mas, agora, era consumida pelo medo e pela solidão cada vez mais. Era muito tarde para voltar atrás e desfazer qualquer coisa. Que preço teria de pagar por aquela noite?

[…]

Violei a Lei. Como posso desfazer o que aconteceu por causa do meu pecado? Ó Senhor, Deus de Israel, seja misericordioso. Por favor, tire-me do buraco que eu mesma cavei e mude o rumo de minha vida. […]

Bate-Seba suplicou a Deus para apagar suas violações, para purificá-la de todo pecado.

— Dê-me um coração que lhe agrade, Senhor. Não me lances nas trevas.

[…] E se Davi nunca a tivesse visto no banho? E se ele nunca a tivesse visto no banho? E se ele nunca a tivesse chamado e ela permanecesse fiel a Urias? Mas, depois de experimentar a disciplina de Deus, ela sabia que adquirira uma noção diferente da redenção e restauração. Sabia agora, acima e além de qualquer dúvida, como eram grandes a misericórdia e o amor de Deus. Por isso, sentia-se muito grata. O doce incenso da fé fora liberado quando sua vida e vontade estavam prestes a sucumbir.

Senhor, pensei que podia viver minha vida e ser feliz sem você. Eu estava enganada. Completamente enganada. Perdoe-me.

E Deus a perdoara.

[…]

Bate-Seba: Uma história de beleza e sofrimento
Série: Mulheres na Linhagem de Jesus
Francine Rivers

Anúncios

9 comentários

  1. Ellen · maio 9, 2016

    Muito legal a junção dos textos!
    Assim como os posts mais antigos, tenho gostado bastante dos últimos textos do blog!
    Beijão, Lis!!!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Rute · maio 15, 2016

    Fantástica leitura!

    Curtido por 1 pessoa

    • LisLand · junho 7, 2016

      Realmente! Essa leitura nos faz refletir!!!
      Recomendo a leitura do livro! 😉

      Curtir

  3. jovem Cristã · maio 16, 2016

    Olá, a paz do Senhor! Vim até aqui lhe pedir para você dar uma olhadinha, ou talvez uma curtida no meu blog, o que lhe agradar. Sugestões ou críticas são bem vidas.
    Tá ok? Desde já agradeço muitíssimo pela sua presença.
    http://jovemcristaweb.wordpress.com

    Curtir

    • LisLand · maio 16, 2016

      Claro, Jovem Cristã! 😉
      Beijos

      Curtido por 1 pessoa

      • jovem Cristã · maio 17, 2016

        Um bjo!😀 obrigada pela sua presença

        Curtir

  4. Iary · junho 7, 2016

    Ótimo

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s