MULHERES COMO EU: Bate-Seba

Esse 12º estudo sobre Bate-Seba faz parte da série “Mulheres Como Eu”, um estudo sobre 24 mulheres da Bíblia idealizado por Karina Barber. Para mais informação de como participar desse estudo acesse o vídeo do Cafezinho da Tarde no YouTube.
Para obter o livreto gratuito com a lista de todas as 24 mulheres solicite CLICANDO AQUI.

📖 Textos bíblicos:

📖 2 Samuel 11 – 12

Bate-Seba era uma bela mulher, casada com o fiel Urias que estava na guerra contra os amonitas. Como costume, ela se banhava em casa. Mas, fora do comum, ela recebeu mensageiros do rei Davi com a ordem de se apresentar nos aposentos privativos do rei. Davi teve relações com ela e a dispensou. Como Bate-Seba esteve com o rei no período fértil, cerca de 1 mês depois ela mandou anunciar ao rei que estava grávida dele. Davi arquiteta planos para tentar se livrar da culpa, decidindo pela morte de Urias. Bate-Seba chorou o período do luto, que tinha duração de até 2 meses, e Davi a recebeu no palácio como sua esposa. Confrontado por Deus, Davi se arrepende, Deus perdoa a Davi, mas fala, por meio do profeta Natã, das graves consequências. O primeiro filho de Davi e Bate-Seba morreu e o rei consolou a Bate-Seba. Ela engravidou de mais 4 filhos, dentre eles, Salomão, o sucessor de Davi no trono.

📖 1 Reis 1 – 2

Davi havia envelhecido e precisava passar o trono para um de seus filhos. Adonias, filho de Davi com Hagite, se autoproclamou rei, fazendo com que Natã e Bate-Seba executassem um plano para Davi passar o trono para Salomão. Depois de Salomão ser coroado, Adonias se humilhou diante do irmão, mas não desistiu do trono. Ele pediu a Bate-Seba que requeresse ao rei a Abisague, a virgem que aquecia Davi em sua velhice. Bate-Seba se apresenta ao rei, seu filho, que manda trazer um trono para que ela se assentasse ao seu lado. Ingenuamente, Bate-Seba faz essa solicitação ao rei que a repreende e manda matar Adonias. O reino de Salomão foi confirmado e houve riquezas e paz.

Questionário

1. História de Bate-Seba

Bate-Seba era uma bela mulher, casada com Urias, um honrado guerreiro hitita. Enquanto seu marido estava na guerra, o rei de Israel, Davi, a flagrou durante seu banho vespertino. Ela recebeu os mensageiros do rei para se apresentar nos aposentos privados do rei, e como uma cordeirinha se apresentou ao rei. Dias depois mandou avisar ao rei que estava grávida. Ela permaneceu em casa até receber a notícia de que seu esposo tinha morrido na guerra. Passado o tempo de luto ela foi chamada para o harém do rei. Após o nascimento do filho, ele adoeceu e morreu, conforme as palavras do profeta Natã. Davi se arrependeu de seu pecado e consolou a Bate-Seba de suas perdas. Ela foi alcançada pela graça, ouvia o profeta Natã, escolhendo estar na presença de Deus. Deus a abençoou com mais 4 filhos, dentre os quais estava Salomão, que a tornou rainha-mãe, quando este sucedeu Davi no trono.

2. Local em que Bate-Seba morou na época e o país na atualidade

Jerusalém, capital de Israel.

3. Significado do nome de Bate-Seba

“A sétima filha”, ou “Filha de um juramento”

4. Vida cotidiana de Bate-Seba

• Papel nas Escrituras: Esposa e viúva de um guerreiro fiel, uma das esposas do rei Davi, rainha-mãe, mãe de 5 homens.

• Posição Social: De súdita a rainha

• Tarefas Diárias: Atividades diárias de mulher do lar, cuidados pessoais como esposa e mãe no palácio das mulheres.

5. Relacionamentos de Bate-Seba

Deus: Serva de Deus que avançou em sua comunhão tornando-se mais íntima de Deus;

Esposos: Viúva de Urias e uma das esposas de Davi;

Filhos: Primogênito que faleceu no 10º dia de vida, Salomão, Siméia, Sobabe e Natã;

Pessoas envolvidas: Profeta Natã, Adonias, Abisague.

6. Testemunho de Bate-Seba para mim:

Bate-Seba é uma mostra de superação de perdas, de que é possível ter a história reescrita pela graça divina.

7. Virtudes de Bate-Seba:

  • Mansa;

  • Bela;

  • Submissa;

  • Delicada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: 2 Samuel e 1 Reis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol 2.

COLEMAN, William L. Manual dos Tempos Bíblicos. Minas Gerais: Editora Betânia, 1991.

MULHERES COMO EU: Léa

Esse 11º estudo sobre Léa faz parte da série “Mulheres Como Eu”, um estudo sobre 24 mulheres da Bíblia idealizado por Karina Barber. Para mais informação de como participar desse estudo acesse o site do Cafezinho da Tarde.

📖 Texto bíblico:

📖 Gênesis 29 – 33 → Esses 5 capítulos tratam da história de rivalidade entre as duas irmãs, Léa e Raquel, ambas esposas de um único homem, Jacó. Raquel era a caçula e a mais bonita, a escolhida por Jacó como esposa, entretanto, como a mais velha não havia casado, o pai das meninas, Labão, casou Léa, a mais velha, com Jacó. Léa foi rejeitada, mas Deus, justo juiz, a exaltou perante a irmã, dando-lhe os 4 primeiros filhos de Jacó. Depois de anos humilhada por sua esterilidade, Raquel teve 2 filhos, José e Benjamim. Antes de partirem de Harã para Canaã, Jacó reúne suas 2 mulheres e as duas irmãs, finalmente, mostram estar de acordo com algo.

📖 Gênesis 35:16-19 → Esses versículos tratam da morte de Raquel. A partir de então, Léa, a primeira esposa, passa a ser a única esposa de Jacó.

📖 Gênesis 46:15-18 → A Bíblia lista os filhos de Léa que foram para o Egito, onde José governava.

📖 Gênesis 49:31 → Jacó menciona a morte de Léa, sepultada junto a Abraão e Sara, seus avós, Isaque e a Rebeca, seus pais.

📖 Rute 4:11 → Léa ajudou a edificar a casa de Israel, sendo mãe dos 4 primeiros filhos de Jacó.

Questionário

1. História de Léa

Léa era uma mulher delicada, mas sem os grandes atrativos de sua irmã mais nova, Raquel. Ela tinha o direito de se casar primeiro por ser a mais velha, mas até então não havia sido dada em casamento. Seu pai, Labão, a colocou numa situação muito difícil ao entregá-la a um homem que amava a sua irmã. Uma semana depois do casamento, seu esposo se casou com Raquel e a desprezou. Deus socorreu e exaltou Léa fazendo-a fértil.

Ao ter o 1º filho, Léa reconheceu que o SENHOR tinha visto a sua aflição e esperançosamente confiou que seu marido a amaria. Ela o chamou de Rúben, que significa “Eis um filho”.

No 2º filho, Léa novamente reconhece que o SENHOR soube de como ela era desprezada e concedeu-lhe mais um filho. Ela o chamou de Simeão, que significa “Ouvindo com aceitação”.

Ao conceber o 3º filho, Léa acreditou que seu marido a amaria porque já tinha lhe dado 3 filhos e que se uniria a ela. Ela o chamou de Levi, que significa “Unido”. Levi se tornou a tribo a qual o SENHOR separou para o serviço sagrado.

No 4º filho, Léa louva ao SENHOR como forma de agradecimento. Ela chamou o bebê de Judá, que significa “Louvor”. Judá se tornou a tribo de onde descenderam reis e por fim, o Messias.

Léa cessou por um tempo de dar filhos, ao ver que Raquel tinha dado sua serva para conceber, também oferece Zilpa. Dois filhos são adquiridos por meio de Zilpa, Gade, o que significa “Boa fortuna”, e Aser, que significa “Alegre”.

Léa consegue passar uma noite com Jacó, em troca das mandrágoras achadas por Simeão e entregues a Raquel (uma raiz que possui poderes afrodisíacos e cuja raiz possui um interessante formato humano). Nessa noite, Léa engravida de Issacar (significa “Ele traz galardão”), e ao conceber diz que Deus lhe galardoou porque ela havia dado sua serva ao marido.

Ao conceber o 6º filho, Léa agradece a Deus por essa dádiva e nos revela que Jacó não morava com ela ao desejar morar com seu esposo. Ela chamou seu filho de Zebulom, que significa “Desejado para habitação”.

A 7ª e última gravidez mencionada na Bíblia foi de uma menina, chamada Diná (Julgada).

Jacó chama suas esposas delatando as injustiças de Labão e falando sobre o desejo de voltar à sua terra. As duas irmãs concordaram com o esposo e juntos partem de Harã.

Na chegada em Canaã, Léa enfrenta uma grande calamidade: sua filha Diná foi estuprada.

Após a morte de Raquel, Léa fica responsável de cuidar do pequeno José e do bebê Benjamim, ela se torna a mãe dos 12 filhos de Jacó.

Léa foi sepultada no jazigo onde estavam as esposas oficiais dos patriarcas Abraão e Isaque, e depois, onde Jacó foi enterrado. Esse ato demonstra que Léa foi finalmente reconhecida por Jacó como sua primeira esposa.

2. Local em que Léa morou na época e o país na atualidade

Léa nasceu em Harã e depois foi para Canaã, que corresponde ao atual país de Israel.

Harã hoje corresponde a faixa sul da Turquia, no qual encontra-se hoje um importante sítio arqueológico.

Sítio Arqueológico – Harã – Sul da Turquia

3. Significado do nome de Léa

Também chamada de Léia e Lia, em hebraico moderno “Le’a”, soa como “labor, cansaço, impaciente, lânguida”, em árabe significa “vaca selvagem”.

4. Vida cotidiana de Léa

• Papel nas Escrituras: Filha, esposa, mãe e senhora.

• Posição Social: Desempenhava a função de primeira esposa de Jacó para Deus, entretanto era tida como a segunda para Jacó.

• Tarefas Diárias: Ela era dona de casa, mas dispunha seu tempo e esforços em conquistar a afeição do marido.

5. Relacionamentos de Léa

DEUS: Léa era uma serva de Deus, que ao lutar pelo amor do marido, descobriu o amor de Deus por ela.

ESPOSO: Jacó não a amava, apesar disso a considerou como sua esposa oficial.

FILHOS: Rúben, Simeão, Levi, Judá e Diná. Gade e Aser por meio de sua serva Zilpa. Rúben deitou-se com Bila, a serva de Raquel e concubina de Jacó; Simeão e Levi mataram o estuprador de Diná e toda a cidade de Siquém; Judá negou o filho caçula a Tamar e acabou engravidando a própria nora. Mais tarde, as tribos de Judá e Levi se tornaram uma das mais importantes tribos de Israel, de Judá veio o Messias e de Levi as linhagens sacerdotais.

PESSOAS ENVOLVIDAS: Raquel, a irmã de Léa, amada por Jacó, causou litígio e tensão familiar.

6. Testemunho de Léa para mim:

Léa é um exemplo da mulher que experimentou a rejeição no casamento bigâmico, mas, em contrapartida, recebeu de Deus amor, aceitação e proteção. Ela não teve uma vida fácil, sua própria irmã se tornou sua rival, seus filhos tomaram atitudes reprováveis, mas no fim Deus deu um final feliz, tornando-a uma das matriarcas da nação de Israel.

7. Virtudes de Léa:

  • Resiliente

  • Esperançosa

  • Humilde

  • Paciente

  • Grata

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 7.

MULHERES COMO EU: Raabe

Esse 10º estudo sobre Raabe faz parte da série “Mulheres Como Eu”, um estudo sobre 24 mulheres da Bíblia idealizado por Karina Barber. Para mais informação de como participar desse estudo acesse o site do Cafezinho da Tarde.

📖 Textos bíblicos:

📖 Josué 2:1-24 narra o encontro de Raabe, uma prostituta de Jericó, a cidade que seria destruída, com os dois espias israelitas, narra também a proposta e proteção feitos em ambas partes.

📖 Josué 6:17-25 relata como Raabe, Josué e os dois espias cumpriram a parte no acordo e nos mostra como Deus milagrosamente preservou a casa do cordão escarlate pendurado na janela.

📖 Mateus 1:5 registra o nome de Raabe na genealogia de Jesus Cristo.

📖 Hebreus 11:31 assinala o nome de Raabe como uma heroína da fé.

📖 Tiago 2:25 cita o feito de Raabe para mostrar como as obras dela, acompanhada da fé, a justificaram diante de Deus.

Questionário

1. História de Raabe

Raabe foi uma prostituta cananeia, que ao ouvir sobre os grandes feitos do Deus de Israel se converteu a Ele em seu coração. Providencialmente, os dois espias enviados secretamente por Josué, chegou à sua casa. Ela os protegeu, ajudou e firmou uma aliança com o povo de quem seu povo era inimigo. A aliança consistia em que Raabe não delatasse os espias, que trouxesse toda sua família à sua casa e que estendesse o cordão escarlate como sinal da casa que não deveria ser tocada pela espada. Deus milagrosamente salvou a Raabe e toda sua família. Todo o muro caiu, somente a casa com o cordão escarlate ficou de pé. Raabe foi integrada à nação israelita de uma forma maravilhosa, ela de casou com o príncipe da tribo de Judá, concebeu Boaz, foi a bisavó do rei Davi, e por fim, foi ascendente de Jesus.

2. Local em que Raabe morou na época e o país na atualidade

Natural de Jericó, essa cidade foi totalmente destruída na época da conquista da terra pelos israelitas. Josué lanço uma maldição para aquele que a reconstruísse (Js 6:26), o filho primogênito morreria na fundação e o caçula no término da reconstrução. Cerca de 500 anos depois da profecia Hiel reconstruiu Jericó a preço dos seus dois filhos, Abirão, o primogênito, e Segube, o caçula (1 Rs 16:34). Hoje Jericó ainda existe e há também escavações que revelaram importantes descobertas da cidade mais antiga do mundo.

Raabe viveu o restante dos seus dias com o povo de Israel, por ter se casado com um príncipe de Judá, foi lá que fixou residência, após a conquista da terra. Judá hoje corresponde a parte sul do atual país de Israel.

3. Significado do nome de Raabe

Os significados no hebraico variam entre “Tempestade”, “Ferocidade”, “Arrogância”. Em grego a palavra que descreve Raabe é porne, que significa “meretriz”.

4. Vida cotidiana de Raabe

• Papel nas Escrituras: Salvou a si mesma e a sua família da destruição e morte, consequentemente, se tornou um exemplo de fé a ser seguido por todas as estrangeiras que professam sua fé no Deus dos judeus.

• Posição Social: Ela era uma prostituta, após ser inserida na comunidade de Israel, ela se casou com um príncipe e passou a ser exemplo de fé e da graça de Deus. Seu nome está listado em Hebreus 11, como uma heroína da fé.

• Tarefas Diárias: Antes de se tornar uma filha de Abraão, ela executava tarefas domésticas comuns, como cozinhar, fazer tecido de linho, coser, tudo com recursos adquiridos das noites de orgia. Depois de ser inserida na comunidade de Israel, ela se casou e passou a ser sustentada pelo esposo, Salmon. Cuidava da casa, alimentação e dos filhos.

5. Relacionamentos de Raabe

DEUS: Ela creu e temeu a Deus.

ESPOSO: Salmon, um príncipe de Judá, a fez experimentar o verdadeiro amor.

FILHO: Boaz, um homem valoroso tal como seu pai.

PESSOAS ENVOLVIDAS: Os pais e irmãos de Raabe não tem seus nomes registrados; Josué; dois jovens espias, soldados do rei de Jericó.

6. Testemunho de Raabe para mim:

A fé e temor de Raabe ao único Deus Salvador e galardoador, me instigam a me aliar do lado certo, mesmo quando todos estiverem na oposição.
Posso usar minha criatividade e eficiência para resolver situações em tempos de crise.
Preciso acreditar que Deus perdoa o pior dos meus pecados por Sua graça.

7. Virtudes de Raabe:

  • Inteligente

  • Estratégica

  • Mulher de fé

  • Confiança

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Josué. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol 2.

MULHERES COMO EU: Abigail

Esse 9º estudo é sobre Abigail e faz parte da série “Mulheres Como Eu”, um estudo sobre 24 mulheres da Bíblia idealizado por Karina Barber. Para mais informação de como participar desse estudo acesse o site do Cafezinho da Tarde.

📖 Texto bíblico:

1 Samuel 25:3-43; 27:3; 30:5,18

Questionário

1. História de Abigail

Abigail era uma jovem senhora, casada com um homem rico, mas ímpio. Nabal era judeu, como Davi, de clãs diferentes. Quando Nabal precisou de ajuda, Davi o protegeu. Mas, quando Davi precisou de alimento, Nabal negou e destratou a Davi e seus mensageiros. Somente por causa da ação de Abigail, que Nabal e toda a sua casa não caíram pela espada de Davi. Ao saber do que Nabal havia feito, Abigail pegou do melhor alimento e presenteou a Davi, junto com um pedido de perdão. Davi aceitou o presente e perdoou a Nabal. Quando Abigail voltou, esperou o dia seguinte, quando Nabal estava sóbrio, para contar como impedira a vingança de Davi. Nabal morreu 10 dias depois e Davi tomou Abigail como esposa. Davi e Abigail tiveram 1 filho.

2. Local em que Abigail morou na época e o país na atualidade

Carmelo, em Israel; peregrinações no deserto de Israel; Hebrom e Jerusalém, em Israel.

3. Significado do nome de Abigail

“Pai da alegria” ou “Exultação”

4. Vida cotidiana de Abigail

• Papel nas Escrituras: Salvadora da sua casa e de Davi, ao impedir mortes por mão humana.

• Posição Social: Ela era uma rica senhora, que, com humildade, foi elevada ao posto de esposa do rei Davi.

• Tarefas Diárias: Cuidava da sua casa como senhora, educou o seu filho, foi capaz de adaptar-se a diferentes lugares e situações até ter morada fixa no palácio em Jerusalém.

5. Relacionamentos de Abigail

DEUS: Abigail tinha um relacionamento de

ESPOSO: Nabal, um israelita que não temia a Deus; Davi, fugitivo, depois instituído rei de todo o Israel.

FILHO: Daniel, chamado também de Quileabe, cujo pai era o rei Davi

PESSOAS ENVOLVIDAS: Servos.

6. Testemunho de Abigail para mim:

Abigail salvou sua casa, como também sua própria vida, de serem mortos pela atitude néscia de um homem que não temia a Deus. Devo pedir a Deus sabedoria, coragem, fé e humildade, para saber salvar vidas da morte.

7. Virtudes de Abigail:

  • Sabedoria

  • Humildade

  • Heroísmo

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: 1 Samuel. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol 2.

MULHERES COMO EU: Débora

Esse 8º estudo sobre Débora faz parte da série “Mulheres Como Eu”, um estudo sobre 24 mulheres da Bíblia idealizado por Karina Barber. Para mais informação de como participar desse estudo acesse o site do Cafezinho da Tarde.

📖 Versículos selecionados:

Juízes 4:4-23; 5:1-31

Esses dois capítulos narram a história de como a única juíza de Israel foi usada por Deus para dar livramento a Israel. O povo de Israel vivia um ciclo que Champlin (2001) chama de “apostasia, opressão, oração e livramento”. O povo se afastou de Deus, por isso, Deus enviou os cananeus para perturbá-los, os israelitas se voltaram a Deus novamente e receberam o livramento de uma forma inabitual. Uma mulher, que era a juíza e profetisa, foi à guerra junto com o capitão Baraque, e, outra mulher, Jael, foi quem conseguiu matar o capitão do exército inimigo, Sísera.

O capítulo 5 contém a composição da música de vitória entoada por Débora e Baraque. Eles louvaram a Deus e narraram parte da guerra, como também o livramento. F. Duane Lindsey (in Champlin, 2001) encontrou 5 seções que caracterizam essa canção:

1. O cabeçalho do hino (v. 1);

2. O louvor proferido por Débora (v. 2-11);

3. A convocação das tribos (v. 12-18);

4. A derrota dos cananeus (v. 19-30);

5. A oração final de maldição e de bênção (v. 31-32).

Questionário

1. História de Débora

Champlin (2001) assinala que Débora pode ter pertencido à tribo de Efraim ou à tribo de Issacar (Jz 5.15). Ela era casada com Lapidote, habitava debaixo de palmeiras, que ficou conhecida como “As Palmeiras de Débora”, local em que o povo a encontrava para ouvir os oráculos de Deus. Débora era juíza e também profetisa. Quando os cananeus atacaram o norte de Israel, Débora recebeu a ordem de Deus para buscar Baraque, um homem da tribo de Naftali, para combater os inimigos. Baraque vai com uma condição: se Débora o acompanhasse. Apesar de saber que a honra da vitória seria de uma mulher, Baraque só vai à luta na companhia da mãe de Israel, Débora. Antes da batalha, Débora dá uma palavra de encorajamento da parte de Deus a Baraque e a guerra se inicia com favorecimento do povo de Israel, pois o terreno argiloso e molhado (margens do ribeiro de Quisom) e as fortes chuvas atolaram os 900 carros de ferro dos cananeus (Jz 4:3). Sísera, o capitão do exército do rei Jabim, fugiu e refugiou-se na casa de Héber, onde estava Jael, mulher aliada ao povo de Deus. Jael tratou Sísera muito bem, esperou ele dormir e o matou. Débora cantou a vitória de Jael e a forma como Deus havia trabalhado para dar vitória ao seu povo. Depois dessa vitória, Israel teve paz por 40 anos.

2. Local em que Débora morou na época e o país na atualidade

As Palmeiras de Débora, ficava entre Ramá e Betel, hoje esses locais correspondem à Er-Ram, que se localiza a 8 km ao norte de Jerusalém, e Beitin, a cerca de 17 km ao norte de Jerusalém.

3. Significado do nome de Débora

“Abelha”

4. Vida cotidiana de Débora

• Papel nas Escrituras: Profetisa, esposa de Lapidote, juíza (Jz 4:4) e mãe em Israel (Jz 5:7). Além disso, ela também foi à guerra, ainda que não fo para pegar em armas, mas para dar o apoio que Baraque precisava.

• Posição Social: Líder política e espiritual.

• Tarefas Diárias: Diariamente, Débora separava de seu tempo de doméstica, para sentar-se às sombras das palmeiras, próximas a sua casa, para atender o povo de Israel transmitindo os oráculos de Deus. De forma atípica, ela viu uma guerra de perto e o grande livramento que Deus deu a Israel.

5. Relacionamentos de Débora

DEUS: Débora era uma mulher de fé, que transmitia todas as palavras de Deus ao povo, de modo que a vontade de Deus era cumprida.

ESPOSO: Lapidote.

PESSOAS ENVOLVIDAS: Povo de Israel, Baraque, soldados cananeus, Sísera, Jael.

6. Testemunho de Débora para mim:

Uma mulher temente a Deus que não temia circunstâncias adversas, nem homens cruéis.

As verdades divinas eram transmitidas e seguidas à risca por ela.

O sentimento de ser de Deus ultrapassava o sentimento nacionalista.

7. Virtudes de Débora:

  • Coragem

  • Temor a Deus

  • Alegria

  • Liderança

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Juízes. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol 2.