MULHERES COMO EU: Rebeca

O Estudo “Mulheres como eu” foi desenvolvido pelo Ministério Cafezinho da Tarde. Confira as instruções de como realizar esse precioso estudo no site → https://cafezinhodatarde.com/estudos/mulheres-como-eu/

Como Rebeca Deus me inspira a fazer tudo com amor.
Como Rebeca meu estômago se enche de borboletas quando preciso sair de mudança, mas me tranquilizo quando ouço a voz do SENHOR dizendo que está comigo onde quer que eu for.
Como Rebeca me cubro, para que a beleza do meu coração venha antes da beleza física.
Como Rebeca usufruo da benção sem dores concedida por Deus.
Como Rebeca me dirijo ao SENHOR toda vez que estou confusa, e Ele me responde.
Como Rebeca guardo fielmente as palavras do SENHOR no meu coração, mas crendo que Ele vela para cumprir.
Como Rebeca me precipito e quero resolver as coisas à minha maneira, sou perdoada, mas sofro as consequências.
Como Rebeca posso ser uma mulher vibrante e cheia de fé..

📖 Versículos selecionados:

📖 GÊNESIS 22:23

“Betuel, pai de Rebeca. Estes foram os oito filhos que Milca deu a Naor, irmão de Abraão.”

Esta é a apresentação de Rebeca aos leitores da Sagrada Escritura. Desde o versículo 20, a intenção se mostra clara quando o escritor nos apresenta a família e parentesco de Abraão com Rebeca, sua sobrinha e futura nora. As jovens solteiras eram honradas pelo parentesco de seus pais, mulheres casadas, pelo cônjuge.

📖 GÊNESIS 24:15-67

Esses versículos relatam a linda história de amor de Rebeca e Isaque. A história inicia com a apresentação da família de Rebeca. O servo de Abraão, Eliezer, mal havia acabado de orar para encontrar a esposa certa para Isaque, quando Rebeca chega ao poço onde ele se encontrava. A Bíblia destaca as qualidades de Rebeca como uma jovem linda moça, virgem e disposta para o trabalho. Ela não se chegou ao homem, ele se aproxima dela e pede água, Rebeca, muito perspicaz, percebeu que ele estava com uma caravana e oferece água a todos eles com rapidez e eficiência. Como recompensa pelo ato de bondade Rebeca recebeu uma argola e pulseiras de ouro. Eliezer pergunta sobre o parentesco de Rebeca e se em sua casa teria lugar para passarem a noite, ela revela que era da mesma família de Abraão, muito hospitaleira oferece dormida e sem saber a razão de Eliezer estar ali corre para a casa de sua mãe e relata todo os últimos acontecimentos. O irmão de Rebeca, Labão, volta ao poço para levar Eliezer e sua comitiva consigo. Os camelos se alimentaram e os pés dos viajantes foram lavados, antes de jantarem, Eliezer revela o motivo de estar ali: arranjar uma esposa para o filho de seu senhor Abraão. Rebeca era a resposta à oração dele. Rebeca aceita ir com Eliezer, se despede da família e leva sua ama, Débora e suas servas consigo para o novo lar. Depois de algum tempo de viagem, Rebeca contempla Isaque no campo, se cobre com o véu e é levada até ele. Rebeca passou a morar na tenda que era de Sara. A Bíblia diz que Isaque a amou e foi consolado da morte de sua mãe, Sara.

📖 GÊNESIS 25:21-26

Esses versículos nos contam que após 20 anos de casada, Rebeca não havia engravidado. Então, Isaque orou insistentemente até Rebeca engravidar. Rebeca sentiu um movimento anormal em seu ventre, foi até Deus perguntar o que era aquilo. Deus lhe revelou que eram gêmeos e que o caçula seria maior que o nascesse primeiro. Um menino peludo e ruivo nasce primeiro, Esaú, e Jacó nasce segurando o calcanhar do irmãozinho.

📖 GÊNESIS 26:6-11

Uma outra característica de Rebeca nos é revelada: sua beleza. Rebeca era tão bonita que Isaque temeu que o rei Abimeleque o matasse para ficar com ela, por isso, informou que era sua irmã. Um dia o rei os flagrou em carícias maritais, expôs a ambos e declarou que não tinha intenção de tocar neles.

📖 GÊNESIS 27:1-17, 46

Rebeca intervém na benção entregue ao filho primogênito, por causa da resposta de Deus em Gênesis 26:23, no qual Deus havia lhe revelado que o maior serviria o menor. Estratégica e rapidamente, ela bola um plano e consegue fazer com que Jacó, seu filho preferido, recebesse a benção da primogenitura. Essa atitude dela causou um grande conflito na família e lhe trouxe muitas dores de cabeça (Gn 27:46), pois Esaú se vingou de seus pais se casando com mulheres fora do parentesco, se misturando com mulheres ímpias.

📖 GÊNESIS 28:5

Rebeca faz um pedido a Isaque que visava preservar a vida de Jacó e de não deixá-lo se casar com uma cananeia: enviar Jacó para sua terra, em Padã-Harã.

📖 GÊNESIS 49:31

O falecimento de Rebeca não foi registrado na Bíblia. Não sabemos se ela faleceu antes ou depois de Isaque, estudiosos apontam que sua morte ocorreu na amargura com as noras ímpias, antes da volta do seu filho querido. No versículo no tópico, em particular, ficamos sabendo que ela foi sepultada no mesmo lugar que Sara.

Questionário

1. História de Rebeca

Segundo os estudos realizados por Reese (2003), quando Rebeca nasceu, Isaque tinha 20 anos. Sua família, natural de Ur dos Caldeus, agora estava em Harã. Rebeca era neta de Milca e Naor, o irmão de Abraão. Eles eram servos de Deus que viviam em meio a uma sociedade pagã da época. Betuel e sua esposa tiveram um casal de filhos: Labão e Rebeca. Rebeca era uma linda jovem, virgem, rica, tinha uma ama, chamada Débora, e várias servas. Quando encontrou o servo de Abraão, Eliezer, no poço, tinha seus 20 anos, e tinha o costume de carregar água à tarde junto a outras jovens. Ao ser interpelada por Eliezer, ela muito ativa e hospitaleira oferece água para ele e todos os animais sedentos, sem saber que este era o sinal entre Deus e Eliezer da esposa escolhida para Isaque. Muito cuidadosa, ela vai anunciar tudo o que Eliezer lhe falara para sua família. Seu irmão toma a dianteira da situação e trata diretamente com Eliezer. Conversando sobre a partida de Rebeca, ela é chamada para tomar a própria decisão. Rebeca vai com Eliezer, acompanhada de sua ama, Débora e suas servas. Chegando ao destino, em seu coração identifica Isaque e se cobre com o véu. Rebeca fez Isaque tão feliz que ele ficou consolado da morte da mãe, Sara. Rebeca era tão bonita que Isaque agiu semelhante ao seu pai, no mesmo local, Gerar, falou para Abimeleque que Rebeca era sua irmã, mas o rei os flagrou em carícias maritais. Tal como a sogra, Rebeca era estéril, somente 20 anos depois de casados, Isaque contava com seus 60 anos e Rebeca 40 anos, que o SENHOR ouviu a oração de Isaque e ela engravidou de gêmeos. A Bíblia relata que havia muito movimento no ventre, Rebeca, então, consultou ao SENHOR, para saber o que estava havendo. O SENHOR revelou que havia duas nações e que o primogênito seria servo do caçula. No nascimento dos gêmeos bivitelinos, o bebê que nasceu por último, Jacó, estava com a mãozinha agarrada ao calcanhar de seu irmãozinho ruivo e peludo, Esaú, essa foi mais uma prova do que o SENHOR havia revelado. Rebeca guardou fielmente as palavras do SENHOR e não permitiu que Isaque concedesse a benção da primogenitura a Esaú. Então, executou um plano para conseguir que Jacó fosse abençoado em lugar de Esaú. Rebeca conseguiu que Isaque enviasse Jacó a Harã, livrando seu filho de ser morto por Esaú e de que ele se casasse com uma cananeia. Isaque morreu aos 180 anos, mas a Bíblia não revela quando Rebeca faleceu. Flávio Josefo (2004), acredita que Rebeca morreu antes do retorno de Jacó à Canaã. Conforme Gênesis 49:31, Rebeca foi sepultada em Macpela, a sepultura da família de Isaque.

2. Local em que Rebeca morou na época e o país na atualidade

Padã-Harã, lugar de origem de Rebeca, ficava ao noroeste da Mesopotâmia, atual região da Turquia. Ela se dirigiu ao sul de Canaã, para se casar com Isaque, e passou por três das cidades nas jornadas de Isaque: Hebrom, Gerar e Berseba.

Hebrom, foi, posteriormente, conquistada por Calebe, da tribo de Judá, e hoje esse lugar ainda subsiste e é uma cidade do território do Estado de Israel.

Gerar tem sido identificada como Tell Abu Hureyra, e atualmente fica ao norte da Síria.

Berseba, fica ao sul de Israel e é uma das maiores cidades desse Estado.

3. Significado do nome de Rebeca

Do hebraico, seu nome significa “Donzela cuja beleza prende os homens”, “Corda com laço”, “Aquela que une”.

4. Vida cotidiana de Rebeca
  • Papel nas Escrituras: Rebeca foi a 2ª matriarca da nação de Israel. Para tanto, ela desempenhou o papel de esposa, mãe e serva de Deus.

  • Posição Social: Para a sociedade da época, Rebeca era uma princesa peregrina. Isaque era um homem muito rico e ambos receberam a proteção de reis.

  • Tarefas Diárias: Na vida de solteira, Rebeca cumpria tarefas como todas as outras jovens da sua idade, a tarefa destacada nas Escrituras é a de tirar água no poço da cidade no início ou ao final do dia, em um vaso de cerâmica grande, carregado no ombro ou apoiado no quadril. Outras tarefas realizadas pelas mulheres da época era a de ir ao mercado local, limpeza e organização da casa, tratar, fiar e tecer roupas, aprender as tarefas domésticas como preparatório para o casamento. As mulheres casadas cuidavam de seus maridos (higiene, alimentação e deveres conjugais) e quando os filhos chegavam, educava os filhos ensinando tarefas relacionadas a boa convivência no lar.

5. Relacionamentos de Rebeca

DEUS: Jeová

PAI: Betuel

IRMÃO: Labão

AMA: Débora

ESPOSO: Isaque

FILHOS GÊMEOS: Esaú e Jacó

NORAS: Basemate, Ada, Oolibama, Léa e Raquel

PESSOAS ENVOLVIDAS: Naor e Milca eram avós de Rebeca, e Abraão era seu tio-avô.

O relacionamento de Rebeca com Deus é revelado quando ela se apresenta diante de Deus para perguntar sobre sua gravidez e ao guardar firmemente as palavras de Deus.

O relacionamento de Rebeca com a sua família era de submissão e clareza. Ela ajudava nos trabalhos de casa e estava sempre pronta a servir, apesar de ser a única filha moça e muito rica. Rebeca chegou a conhecer seu tio Abraão.

O relacionamento de Rebeca com seu esposo prova que foi uma união feita por Deus. Os dois se completavam. Rebeca era enérgica, enquanto Isaque era plácido. Os dois se amaram durante toda a vida e usufruíram juntos de seu tempo com muitas carícias.

O relacionamento de Rebeca com seus filhos era díspar, ela gostava mais de Jacó que Esaú, porque ele era mais caseiro. Ela favoreceu a Jacó e Esaú se vingou dela lhe dando noras ímpias.

O relacionamento de Rebeca com as noras era muito conflituoso.

6. Testemunho de Rebeca para mim

Rebeca me ensina a ser proativa e a ter energia, amor e boa vontade em qualquer atividade que realizar. Rebeca era uma filha obediente e uma esposa amável, que supria a falta de uma mulher como Sara. Rebeca também me mostra que devo me dirigir a Deus quando não estiver entendendo o que está acontecendo em minha vida, o SENHOR me livra de toda confusão e traz respostas claras para hoje e para meu futuro. Rebeca também me alerta sobre o cuidado a não agir pela minha própria sabedoria ou força, para realizar uma profecia divina, porque Ele mesmo se encarregará de cumpri-la.

7. Virtudes de Rebeca
  • Quando solteira: virgem, disposta, eficiente, bela, hospitaleira, firme, de atitude e corajosa.

  • Quando casada: bela, esposa amável, boa mãe, mulher inteligente, estratégica,  habilidosa e proativa.

REFERÊNCIAS

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

GOWER, Ralph. NOVO MANUAL DE USOS E COSTUMES DOS TEMPOS BÍBLICOS. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2002.

Mulheres da Bíblia 2018: Fevereiro

Boas vindas à continuação dos estudos sobre as mulheres da Bíblia. Como prometido, a cada mês vamos fazer uma nova postagem para que uma postagem não fique sobrecarregada.

Para saber como funciona o estudo CLICA AQUI, para acompanhar o plano bíblico em ordem cronológica CLICA AQUI, para acessar a lista de livros das mulheres da Bíblia, clica nesse outro link: MULHERES DA BÍBLIA 2018

Se você ainda não viu a postagem do mês de janeiro, contém 17 fichas de dados sobre 17 mulheres da Bíblia: MULHERES DA BÍBLIA 2018: Janeiro.

Acompanhe também no Telegram meditações de segunda a sexta sobre as mulheres da Bíblia: @lisland

Abaixo vamos continuar a lista com a numeração e dados resumidos das mulheres da Bíblia.

LISTA:

18. Rebeca

19. A mãe de Rebeca

20. Débora, a ama de Rebeca

21. Quetura

22. Judite (ou Oolibama), Basemate (ou Ada) e Maalate (ou Basemate)

23. Raquel

24. Léa

25. Zilpa e Bila

26. Diná

27. Timna

28. As noras de Jacó

29. Tamar

30. A esposa de Potifar

31. Sera

32. Me-Zaabe, Matrede e Meetabel

Ocupações em Gênesis

DADOS DE TEMAS E NOMES EM GÊNESIS

FICHAS DE DADOS:

18. MULHER DA BÍBLIA: Rebeca

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 22:22; 24; 25:20-28; 26:7-11,35; 27:5-15; 28:5; 49:31

SIGNIFICADO DO NOME: “Donzela cuja beleza prende os homens”, “Corda com laço”, “Aquela que une”

LOCAL: Harã, Hebrom, Neguebe, Gerar e Berseba

ÉPOCA: ~ 1847 a.C. – 1716 a.C.?

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Rebeca demonstrou ser uma serva do SENHOR ao colocar sua fé em ação para partir de sua terra ao encontro de Isaque e ao consultar a Deus quando apresentou problemas na gravidez.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PAI: Betuel

  • IRMÃO: Labão

  • AMA: Débora

  • ESPOSO: Isaque

  • FILHOS GÊMEOS: Esaú e Jacó

  • NORAS: Basemate, Ada, Oolibama, Léa e Raquel

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Naor e Milca eram avós de Rebeca, e Abraão era seu tio-avô.

RESUMO DA VIDA:

Segundo os estudos realizados por Reese (2003), quando Rebeca nasceu, Isaque tinha 20 anos. Sua família, natural de Ur dos Caldeus, agora estava em Harã. Rebeca era neta de Milca e Naor, o irmão de Abraão. Eles formavam uma família separada para Deus em meio a sociedade pagã da época. Betuel e sua esposa tiveram um casal de filhos: Labã e Rebeca. Rebeca era uma linda jovem, virgem, rica, tinha uma ama, chamada Débora, e várias servas. Quando encontrou o servo de Abraão, Eliezer, no poço, tinha seus 20 anos, e tinha o costume de carregar água à tarde junto a outras jovens. Ao ser interpelada por Eliezer, ela muito ativa e hospitaleira oferece água para ele e todos os animais sedentos, sem saber que este era o sinal entre Deus e Eliezer da esposa escolhida para Isaque. Muito cuidadosa, ela vai anunciar tudo o que Eliezer lhe falara para sua família. Seu irmão toma a dianteira da situação e trata diretamente com Eliezer. Conversando sobre a partida de Rebeca, ela é chamada para tomar a própria decisão. Rebeca vai com Eliezer, acompanhada de sua ama, Débora e suas servas. Chegando ao destino, em seu coração identifica Isaque e se cobre com o véu. Rebeca fez Isaque tão feliz que ele ficou consolado da morte da mãe, Sara. Rebeca era tão bonita que Isaque agiu semelhante ao seu pai, no mesmo local, Gerar, falou para Abimeleque que Rebeca era sua irmã, mas o rei os flagrou em carícias maritais. Tal como a sogra, Rebeca era estéril, somente 20 anos depois de casados, Isaque contava com seus 60 anos e Rebeca 40 anos, que o SENHOR ouviu a oração de Isaque e ela engravidou de gêmeos. A Bíblia relata que havia muito movimento no ventre, Rebeca, então, consultou ao SENHOR, para saber o que estava havendo. O SENHOR revelou que havia duas nações e que o primogênito seria servo do caçula. No nascimento dos gêmeos bivitelinos, o bebê que nasceu por último, Jacó, estava com a mãozinha agarrada ao calcanhar de seu irmãozinho ruivo e peludo, Esaú, essa foi mais uma prova do que o SENHOR havia revelado. Rebeca guardou fielmente as palavras do SENHOR e não permitiu que Isaque concedesse a benção da primogenitura a Esaú. Então, executou um plano para conseguir que Jacó fosse abençoado em lugar de Esaú. Rebeca conseguiu que Isaque enviasse Jacó a Harã, livrando seu filho de ser morto por Esaú e de que ele se casasse com uma cananeia. Isaque morreu aos 180 anos, mas a Bíblia não revela quando Rebeca faleceu. Flávio Josefo (2004), acredita que Rebeca morreu antes do retorno de Jacó à Canaã. Conforme Gênesis 49:31, Rebeca foi sepultada em Macpela, a sepultura da família de Isaque.

PROPÓSITO:

  • Rebeca fazia parte da linhagem separada para Deus e Deus a colocou para ser a matriarca da nação escolhida por Ele. Todas as promessas de Deus feitas a Isaque, também diziam respeito a ela (Gn 26:1-6,23-25). Rebeca nos deixa lições de vidas positivas e negativas, mas não há como negar que foi uma grande mulher de Deus, na qual podemos nos inspirar.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar as inúmeras virtudes de Rebeca: bondosa, hospitaleira, de boa vontade, proativa, decidida, corajosa e mulher de fé.

  • Preciso tomar decisões em conjunto e em concordância com minha família.

  • Devo me manter pura para um matrimônio feliz.

  • Devo consultar ao SENHOR quando não entender uma situação problemática da minha vida.

DEVO EVITAR:

  • Não posso tomar uma iniciativa sem o equilíbrio e sabedoria do alto.

  • Não posso favorecer mais um filho que outro.

  • Não posso enganar meu marido, devo orar, expor a situação e manter firme minha fé em Deus.

DESTAQUES:

“Labão […] havia aprovado e tinha autoridade para negociar o contrato de casamento. Contudo, o plano não estava completo até que Rebeca respondesse à pergunta feita por sua família: “… queres ir com este homem?” […] Apesar de não saber o que a esperava pela frente, Rebeca deve ter crido que esta oferta inesperada revelava o propósito de Deus para a sua vida. […] Cada uma de nós enfrenta uma escolha similar. Deus […] nos criou e enviou um Salvador […]. Ainda que Ele tenha o direito de controlar nossa vida, Ele deixa a escolha para nós no momento em que Seu Espírito faz a seguinte pergunta: “Queres ir com este Homem?” Nossa decisão determinará nosso futuro por toda a eternidade.”

Dianne Neal Matthews, em “Um ano com as mulheres da Bíblia”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO APLICAÇÃO PESSOAL. Versão Almeida Revista e Corrigida. Ed. 1995. São Paulo: CPAD, 2010.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

BÍBLIA SAGRADA: Nova Versão Transformadora. 1. ed. São Paulo: Mundo Cristão, 2016.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

JOSEFO, Flávio. HISTÓRIA DOS HEBREUS: De Abraão à Queda de Jerusalém. Tradução por: Vicente Pedroso. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus, 2004.

MATHEWS, Dianne Neal. UM ANO COM AS MULHERES DA BÍBLIA. Tradução por: Elisa Tisserant de Castro. Curitiba: Publicações Pão Diário, 2016.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

19. MULHER DA BÍBLIA: A mãe de Rebeca

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 24:28, 53, 55, 60, 67

SIGNIFICADO DO NOME: Seu nome não é mencionado

LOCAL: Harã

ÉPOCA: ~ 1847 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Apesar de a Bíblia não citar o relacionamento dela com Deus, os versículos da bênção profética na despedida de Rebeca são uma clara indicação de que servia a Deus (Gn 24:60).

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • ESPOSO: Betuel

  • FILHOS: Labão e Rebeca

  • SOGROS: Naor e Milca

  • GENRO: Jacó

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Abraão, Eliezer, Débora

RESUMO DA VIDA:

A mãe de Rebeca pertencia à alta classe da sociedade em Harã. Ela foi uma mãe que educou sua única filha como uma princesa, amiga e confidente. Ela era auxiliada por uma ama chamada Débora, que também cuidava de Rebeca. Quando sua filha recebeu a proposta enviada por Abraão, através de seu servo, imediatamente Rebeca vai lhe contar a boa notícia. A felicidade foi geral, até descobrir que sua linda filha iria embora no dia seguinte. Ela precisava de pelo menos 10 dias para se despedir, mas a verdade era que ela já havia preparado Rebeca para voar e formar uma nova nação na terra. O coração partido pela despedida, foi consolado pelo grande futuro que conseguia ver se cumprir em sua filha e sua descendência. Cuidadosamente ela prepara a ama e servas para amenizar a saudade que Rebeca sentiria de sua família e também como um modo de dizer que ela continuava cercada de amor. A mãe de Rebeca foi uma excelente mãe.

PROPÓSITO:

Preparar Rebeca para ser a matriarca da nação escolhida por Deus.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar seu zelo, cuidado e amor pelos filhos;

  • Devo ter a mesma fé para ver o lindo futuro preparado por Deus para meus filhos;

  • Preciso ter a mesma capacidade de desprendimento e confiança na decisão de meus filhos adultos.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. O Antigo Testamento Interpretado: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

20. MULHER DA BÍBLIA: Débora, a ama de Rebeca

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 24:59; Gênesis 35:8

SIGNIFICADO DO NOME: Em hebraico, “Abelha”, a que produz mel

LOCAL: Harã, Hebrom, Neguebe, Gerar, Berseba e Betel

ÉPOCA: ~ 1855 a.C. – 1700 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • O doloroso sepultamento de Débora demonstra que era uma filha amorosa do Deus de Isaque.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Rebeca, Isaque, Jacó.

RESUMO DA VIDA:

Débora era a ama de Rebeca, muito provavelmente cuidou de Rebeca desde o seu nascimento. Uma ama, é uma criada para amamentar a criança, ou uma governanta, que auxilia na criação da menina. Uma ama não se casa, nem tem filhos, vive integralmente para cuidar da criança. Quando Rebeca decidiu partir de Harã, não abriu mão de levar sua ama consigo. Débora a acompanhou na longa jornada, certamente era ela quem aliviou a ansiedade de Rebeca, quem a arrumou para o casamento, quem ajudou Rebeca a administrar o novo lar, como governanta da casa, e quem ficou ao seu lado no difícil nascimento dos gêmeos, Esaú e Jacó, seus “netos”. Débora conquistou o coração de todos com sua amabilidade, carinho e zelo, de forma que fazia parte do coração da família, ocupando uma posição de prestígio. [Alguns estudiosos acreditam que enquanto Jacó estava em Harã, Rebeca morreu e Débora voltou à Harã e ficou com Jacó.] Deus lhe concedeu o privilégio de cuidar de duas gerações de Rebeca, ela chegou a conhecer seus “bisnetos”, os filhos de Esaú e Jacó. No dia de seu sepultamento, Jacó tomou a frente da responsabilidade do funeral e deu à sua ama, um enterro muito honrado. Ele a enterrou num carvalho próximo a Betel, e houve tanto choro que aquele lugar passou ganhou um novo nome: “O Carvalho das Lágrimas”, ou “O Carvalho do Pranto” – Alom-Bacute em hebraico.

PROPÓSITO:

  • O propósito da vida de Débora foi o de mostrar que, independente da condição de serviçal, uma mulher obtém lugar de honra quando ama seus senhores, e se partir deixa muita saudade.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar o amor, a dedicação e o zelo dessa simples mulher que conquistou o coração de toda a família de Rebeca.

DESTAQUES:

“A passagem de hoje se refere a outra mulher que serviu fielmente nos bastidores. […] Apesar de ter sido uma serva, Deus honrou Débora ao colocar os detalhes de sua morte em Sua Palavra. Chegará o dia em que Ele honrará todos os Seus servos fiéis, incluindo os silenciosos […].”

Dianne Neal Matthews, em “Um Ano com as Mulheres da Bíblia”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

MATHEWS, Dianne Neal. UM ANO COM AS MULHERES DA BÍBLIA. Tradução por: Elisa Tisserant de Castro. Curitiba: Publicações Pão Diário, 2016.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

21. MULHER DA BÍBLIA: Quetura

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 25:1-6

SIGNIFICADO DO NOME: “Incenso”

LOCAL: Berseba e Terras Orientais

ÉPOCA: ~ 1826 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Quetura recebeu, por meio de Abraão, a bênção de ter sua descendência multiplicada.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • ESPOSO/SENHOR: Abraão

  • FILHOS:

    – Zinrã: Significa “Célebre”.

    – Jocsã: Significa “Caçador”. Seus dois filhos foram grandes líderes tribais.

    – Medã: Significa “Juízo”.

    – Midiã: Significa “Contenda”. A nação de Midiã (o povo midianita) se fortaleceu muito, seus 5 filhos foram grandes líderes tribais. O sogro de Moisés, Jetro, era de Midiã (Nm 10:29); os midianitas foram amaldiçoados por Deus devido à má atitude para com Israel (Nm 25:17); Gideão e os 300 venceram os midianitas (Jz 7).

    – Isbaque: Significa “Livre”.

    – Suá: Significa “Riqueza”. Acredita-se que Bildade o suíta, era descendente de Suá (Jó 2:11).

  • NETOS: Sabá e Dedã, filhos de Jocsã; Efá, Éfer, Enoque, Abida e Elda, filhos de Midiã.

  • BISNETOS: Assurim, Letusim e Luemin, filhos de Dedã.

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Isaque.

RESUMO DA VIDA:

Quetura era uma mulher árabe que passou a ser mulher de Abraão após a morte de Sara. Em 1 Crônicas 1:32-33 ela é chamada de concubina de Abraão. Ela deu 6 filhos a Abraão, e, da mesma forma que fez com Hagar e Ismael, Abraão enviou seus 6 filhos que tivera com Quetura para longe de Isaque, às terras orientais (deserto da Arábia, leste de Berseba, Mesopotâmia), e deu a eles presentes no lugar da herança. A herança ficou somente para Isaque. Todos os filhos de Quetura se tornaram grandes líderes de sua própria tribo, e mais tarde se tornaram inimigos de Israel.

PROPÓSITO:

  • Fazer companhia ao viúvo e solitário Abraão e gerar filhos.

DEVO IMITAR:

  • Devo aceitar com gratidão cada bênção oferecida por Deus.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

22. MULHERES DA BÍBLIA: As 3 Esposas de Esaú: Judite (ou Oolibama), Basemate (ou Ada) e Maalate (ou Basemate)

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 26:24; 28:9; 36:2-18,25

SIGNIFICADO DOS NOMES:

  1. Judite (Gn 26:34): Significa “Louvada”;

    Identificada como a “Oolibama” (ou “Aolibama”) de Gênesis 36:2, cujo significado é “Tenda de Lugar Elevado”.

  2. Basemate (Gn 26:34): Significa “Fragrância”;

    Também chamada “Ada” em Gênesis 36:2, cujo significado é “Beleza”

  3. Maalate (Gn 28:9): Significa “Tristeza” ou “Depressão”;

    Também chamada “Basemate” em Gênesis 36:3, cujo significado é “Fragrância”.

LOCAIS: Canaã e Montanha de Seir.

ÉPOCA: ~ 1730 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Mulheres ímpias e rebeldes ao SENHOR.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • SOGROS: Isaque e Rebeca.

  1. Judite

    → PAI: Beeri, descendente de Hete, filho de Canaã;

    1.1 Oolibama → Filha de Aná (não sabemos se é a mãe de Oolibama/Judite), neta de Zibeão, descendente dos heveus, de Canaã;

    → FILHOS: Jeús, Jalão e Corá.

  2. Basemate/Ada

    → PAI: Elom, descendente de Hete, filho de Canaã;

    → FILHO: Elifaz;

    → NETOS: Temã, Omar, Zefô, Gaetã, Quenaz e Abimeleque (líderes das 6 tribos iduméias).

  3. Maalate/Basemate

    → AVÓS: Abraão e Hagar;

    → PAI: Ismael;

    → FILHO: Reuel;

    → NETOS: Naate, Zerá, Samá e Mizá.

RESUMO DAS VIDAS:

Essas 3 mulheres tem as seguintes características em comum:

  • São mulheres, cujas famílias foram rejeitadas por Deus devido a vida de rebeldia e pecados, por esse motivo não deveriam se misturar com o povo escolhido de Deus;

  • Foram escolhidas por Esaú, como provocação à Isaque e Rebeca, pais tementes a Deus;

  • Os nomes delas foram mudados depois que se casaram;

  • Seus pais, filhos e netos foram inimigos da nação escolhida por Deus;

  • Elas infligiram intenso sofrimento à Rebeca;

  • Se mudaram para a Montanha de Seir;

  • Seus filhos se tornaram príncipes, isto é, formaram e lideraram suas próprias tribos.

PROPÓSITO:

O propósito traçado por Deus para essas mulheres, foi corrompido pelas suas próprias escolhas pecaminosas.

DEVO EVITAR:

  • Devo evitar me associar intimamente com pessoas que não reconhecem Deus como SENHOR e se rebelam contra Ele, para que eu não aprenda suas práticas erradas e me contamine também;

  • Não posso infligir sofrimento à minha sogra, antes devo orar e manter um relacionamento pacífico de mãe e filha;

  • Não posso me acomodar a uma situação ruim provocada por mim ou a mim. Devo lembrar que há cura para a amargura e perdão para um coração arrependido.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

23. MULHER DA BÍBLIA: Raquel

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 29:6-12,16-35; 30:1-26; 31:4-55; 35:16-19; 37:10; 43:29; 44:20 e 27; 46:19, 22; 48:7; 49:31

SIGNIFICADO DO NOME: Em hebraico, “Rahel” ou “Rachel”, significa “Ovelha”

PROFISSÃO: Pastora de ovelhas

LOCAL: Harã, Canaã, Belém

ÉPOCA: ~ 1756 – 1700 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Raquel aprendeu sob a liderança de Jacó a servir somente a Deus, aprendeu a orar e obteve respostas às suas orações.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PAI: Labão

  • IRMÃ & RIVAL: Léa

  • IRMÃOS: Seus nomes não são citados (Gn 31:1)
  • ESPOSO: Jacó

  • FILHOS: José e Benjamim

  • FILHOS ADQUIRIDOS: Dã e Naftali

  • SERVA: Bila

RESUMO DA VIDA:

~ 1736 a.C. → Raquel, trabalhava como pastora das ovelhas do pai, Labão, quando Jacó a encontra. Apaixonado por ela, fez um acordo com Labão, concordou em ficar no lugar de Raquel, como pastor de ovelhas, e trabalhou por 7 anos para adquirir o direito de se casar com ela.

~ 1729 a.C. → Sete anos se passaram, o casamento estava sendo celebrado, mas Raquel foi mantida em casa, segundo o costume em Harã, a primogênita, Léa, deveria se casar primeiro e Raquel era a mais nova. Jacó concordou em trabalhar mais 7 anos por Raquel, e casou-se com ela 1 semana depois das celebrações do 1º casamento com Léa.

~ 1721 – 1719 a.C. → Raquel vendo que somente Léa engravidava, teve inveja e exigiu do marido que lhe desse filhos também. Jacó, muito irritado, revelou que era Deus quem a impedia de ter filhos. Raquel clamou a Deus e entregou sua serva, Bila, a Jacó. Bila gerou 2 filhos: Dã (que significa “Julgamento” – segundo Raquel, Deus tinha lhe feito justiça) e Naftali (que significa “Minhas Lutas” – segundo Raquel ela havia vencido as grandes lutas que tinha com a irmã). Raquel ambiciona as mandrágoras que Simeão entregou à mãe, Léa (mandrágora é uma planta cuja raiz assemelha-se a figura humana e acredita-se ter poder afrodisíaco). Para ficar com as mandrágoras, Raquel permite que Léa ficasse aquela noite com Jacó.

~ 1716 a.C. → A Bíblia revela que Raquel continuou clamando ao SENHOR, então Deus lhe ouviu e ela engravidou do 1º filho: José (que significa “Que Ele acrescente mais”). Raquel muito feliz, reconheceu que Deus a tinha tirado de sua humilhação.

~ 1715 a.C. → Raquel e Léa finalmente concordam com 1 coisa: sair da casa do pai era uma boa opção, acompanham Jacó na fuga. Raquel furta os ídolos do pai, esconde e leva consigo, correndo risco de morte. A caminho de Betel, Jacó pede que todos se livrem dos ídolos para servirem somente a Deus e os enterra no carvalho junto a Siquém.

~ 1700 a.C. → Raquel engravida de seu segundo filho, tem um parto de risco, consegue salvar a vida do bebê, mas morre no parto. Benoni, “o filho do meu sofrimento”, tem o nome mudado pelo pai, que o chamou de Benjamim, “o filho da minha direita”. Jacó sepultou Raquel na estrada de Belém, ergueu uma coluna em sua memória.

PROPÓSITO:

  • Edificar a casa de Israel (Rt 4:11).

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar a disposição e vivacidade da pastora de ovelhas, Raquel;

  • Como Raquel, preciso aprender a clamar e perseverar até Deus responder;

  • Devo imitar o amor que Raquel teve por seus filhos (Jr 31:1-17; 2 Rs 17:20; Mt 2:18).

DEVO EVITAR:

  • Não posso ser invejosa, nem competitiva. Preciso reconhecer Deus como a Fonte das bênçãos e aguardar a ação dEle humildemente;

  • Não devo promover disputas ou discórdias em meu lar ou em minha igreja. Devo pedir a paz e a sabedoria de Deus para resolver conflitos;

  • Não posso, de forma alguma, esconder ídolos em meu coração. Preciso servir unicamente a Deus.

DESTAQUES:

“[…] a maior mácula no caráter de Raquel se deu no caso dos terafins que furtou da casa de seu pai. Essa narrativa, que deixa transparecer a astúcia de Raquel, um defeito que, sem dúvida, ela herdara da família, é contada em Gênesis 31:19;35. Mas, a característica pior de Raquel não era propriamente o seu espírito ardiloso e, sim, a sua tendência para a idolatria. Os terafins (em nossa versão portuguesa, «ídolos do lar») eram ridiculamente pequenos, porquanto ela os pôde esconder debaixo da sela de seu camelo. Isso significa que não havia, naqueles objetos, qualquer valor material. […] Se nós sabemos que somos meros pecadores, salvos pela pura graça de Deus, e que continuamos muito defeituosos até o último dia de nossa vida, certamente Jacó compreendeu a mesma coisa. Assim, apesar de reconhecer os defeitos óbvios de Raquel, nem por isto Jacó a amou menos.”

Russel Norman Champlin, em “DICIONÁRIO: A-Z: Raquel”.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

24. MULHER DA BÍBLIA: Léa

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 28:2; 29:16-35; 30:1-26; 31:4-55

SIGNIFICADO DO NOME: Também chamada de Léia e Lia, em hebraico moderno “Le’a”, soa como “labor, cansaço, impaciente, lânguida”, em árabe significa “vaca selvagem”.

LOCAL: Harã, Canaã, Belém

ÉPOCA: ~ 1750 – 1650 a.C. ?

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Léa era uma humilde serva do SENHOR e alcançou os cuidados e atenção de Deus.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PAI: Labão

  • IRMÃ & RIVAL: Raquel

  • IRMÃOS: Seus nomes não são citados (Gn 31:1)

  • ESPOSO: Jacó

  • FILHOS: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar, Zebulom

  • FILHA: Diná

  • FILHOS ADQUIRIDOS: Gade e Aser

  • SERVA: Zilpa

RESUMO DA VIDA:

Léa era uma mulher delicada, mas sem os grandes atrativos de sua irmã mais nova, Raquel. Ela tinha o direito de se casar primeiro por ser a mais velha, mas até então não havia sido dada em casamento. Seu pai, Labão, a colocou numa situação muito difícil ao entregá-la a um homem que amava a sua irmã. Uma semana depois do casamento, seu esposo se casou com Raquel e a desprezou. Deus socorreu e exaltou Léa fazendo-a fértil.

Ao ter o 1º filho, Léa reconheceu que o SENHOR tinha visto a sua aflição e esperançosamente confiou que seu marido a amaria. Ela o chamou de Rúben, que significa “Eis um filho”.

No 2º filho, Léa novamente reconhece que o SENHOR soube de como ela era desprezada e concedeu-lhe mais um filho. Ela o chamou de Simeão, que significa “Ouvindo com aceitação”.

Ao conceber o 3º filho, Léa acreditou que seu marido a amaria porque já tinha lhe dado 3 filhos e que se uniria a ela. Ela o chamou de Levi, que significa “Unido”. Levi se tornou a tribo a qual o SENHOR separou para o serviço sagrado.

No 4º filho, Léa louva ao SENHOR como forma de agradecimento. Ela chamou o bebê de Judá, que significa “Louvor”. Judá se tornou a tribo de onde descenderam reis e por fim, o Messias.

Léa cessou por um tempo de dar filhos, ao ver que Raquel tinha dado sua serva para conceber, também oferece Zilpa. Dois filhos são adquiridos por meio de Zilpa, Gade, o que significa “Boa fortuna”, e Aser, que significa “Alegre”.

Léa consegue passar uma noite com Jacó, em troca das mandrágoras achadas por Simeão e entregues a Raquel (uma raiz que possui poderes afrodisíacos e cuja raiz possui um interessante formato humano). Nessa noite, Léa engravida de Issacar (significa “Ele traz galardão”), e ao conceber diz que Deus lhe galardoou porque ela havia dado sua serva ao marido.

Ao conceber o 6º filho, Léa agradece a Deus por essa dádiva e nos revela que Jacó não morava com ela ao desejar morar com seu esposo. Ela chamou seu filho de Zebulom, que significa “Desejado para habitação”.

A 7ª e última gravidez de Léa foi de uma menina, chamada Diná (Julgada).

Jacó chama suas esposas delatando as injustiças de Labão e falando sobre o desejo de voltar à sua terra. As duas irmãs concordaram com o esposo e juntos partem de Harã.

Na chegada em Canaã, Léa enfrenta uma grande calamidade: sua filha Diná foi estuprada.

Após a morte de Raquel, Léa fica responsável de cuidar do pequeno José e do bebê Benjamim, ela se torna a mãe dos 12 filhos de Jacó.

Léa foi sepultada no jazigo onde estavam as esposas oficiais dos patriarcas Abraão e Isaque, e depois, onde Jacó foi enterrado. Esse ato demonstra que Léa foi finalmente reconhecida por Jacó como sua primeira esposa.

PROPÓSITO:

  • Edificar a casa de Israel (Rt 4:11).

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar sua resiliência e esperança

  • Devo ser grata a Deus pelas bênçãos recebidas

  • Devo ser humilde e esperar em Deus o tempo de ser exaltada

DESTAQUES:

“Deus viu que Lia não era amada e lhe concedeu filhos, enquanto Raquel permaneceu estéril por vários anos. […] Quando o quarto filho nasceu, ela simplesmente exclamou: “…Esta vez eu louvarei o Senhor…” […] Sempre que alguém na Terra não nos ama como desejamos, podemos saber que há Alguém no céu que nos aprecia mais do que imaginamos.”

Dianne Neal Matthews, em “Um ano com as mulheres da Bíblia”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

MATHEWS, Dianne Neal. UM ANO COM AS MULHERES DA BÍBLIA. Tradução por: Elisa Tisserant de Castro. Curitiba: Publicações Pão Diário, 2016.

25. MULHERES DA BÍBLIA: Zilpa e Bila

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 30:3-7; 35:22, 25; 37:2; 46:18, 25

SIGNIFICADO DO NOME:

  • Zilpa: Significa “Gota de Mirra”

  • Bila: Em hebraico significa “Modéstia” ou “Timidez”

LOCAL: Harã, Canaã, Belém

ÉPOCA: ~ 1730 a.C.?

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • A Bíblia não tece comentário acerca do relacionamento das servas de Léa e Raquel com Deus.

RELACIONAMENTOS DE ZILPA:

  • SENHORA: Léa

  • SENHOR: Jacó

  • FILHOS: Gade e Aser

RELACIONAMENTOS DE BILA:

  • SENHORA: Raquel

  • SENHOR: Jacó

  • FILHOS: Dã e Naftali

RESUMO DA VIDA:

Essas mulheres eram escravas de Labão, e foram entregues às filhas dele, por ocasião do casamento. As mulheres da época, que possuíam uma boa condição econômica, desfrutavam de um cômodo auxílio. Zilpa foi entregue à Léa na 1ª semana do casamento de Jacó, e Bila foi entregue para servir Raquel, 1 semana depois. Ambas servas também foram entregues a Jacó para engravidarem e conceder os direitos dos filhos às suas senhoras (uma prática comum da época).

Bila concebeu 2 filhos de Jacó, aos quais Raquel nomeou de Dã (que significa “Julgamento” – segundo Raquel, Deus tinha lhe feito justiça por causa da competição com Léa) e Naftali (que significa “Minhas Lutas” – segundo Raquel ela havia vencido as grandes lutas que tinha com a irmã).

Zilpa concebeu 2 filhos de Jacó, aos quais Léa chamou de Gade, que significa “Boa fortuna”, e Aser, que significa “Alegre”.

Rúben, o filho primogênito de Jacó e Léa, se deitou com a serva de Raquel, Bila.

PROPÓSITO:

  • Servir as filhas de Labão na nova vida de casada;

  • Elas também cooperaram para a formação das 12 tribos de Israel.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar a devoção e submissão delas como servas.

DEVO EVITAR:

  • Não posso aceitar a degradação servil, por confundir com a função de humilde serva. Devo manter minha integridade moral e física.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

26. MULHER DA BÍBLIA: Diná

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 30:21; 34:1-31; 45:15

SIGNIFICADO DO NOME: Significa “Justificada” ou “Justa”.

LOCAL: Harã, Canaã, Siquém

ÉPOCA: ~ 1716 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Diná demonstra rebeldia à ordem de Deus de se separar das pessoas de Canaã.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PAIS: Jacó e Léa

  • IRMÃOS: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom

  • MEIO-IRMÃOS: José e Benjamim, Gade e Aser, Dã e Naftali

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Mulheres cananeias, Siquém e Hamor

RESUMO DA VIDA:

A filha caçula de Léa, e única filha de Jacó que foi citada por nome, chamava-se Diná. As moças da família de Jacó tinham o costume de preservar a virgindade até o casamento, diferente das cananeias que eram imorais e sem princípios. Diná resolve fazer amizade com essas mulheres, se misturou com elas como se fosse uma delas. Siquém, filho do rei Hamor, toma Diná a força e a estupra. Depois se apaixona por ela e suplica ao pai para proceder com o pedido de casamento. Hamor faz uma proposta de aliança a Jacó para se misturarem. Jacó não toma nenhuma decisão. Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom, irmãos de Diná, ficam furiosos, fazem uma condição (circuncisão dos machos) e fingem aceitar a proposta. Simeão e Levi agem por conta própria, motivados pela justiça à honra da irmã, que permanecia na casa de Siquém. Com suas espadas mataram Hamor, Siquém e todos os homens daquela cidade, resgataram Diná e ainda saquearam a cidade. Quando questionado por Jacó, eles se justificaram dizendo que ninguém trataria sua irmã como prostituta. Diná provavelmente ficou sem se casar e foi com sua família para o Egito.

PROPÓSITO:

  • A história de Diná serve de alerta às jovens para não se envolver com pessoas que não respeitam os princípios cristãos;

  • A história de Diná serve de alerta também à proteção equilibrada da família às moças.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar o costume da família de Jacó de preservar a virgindade até o casamento.

DEVO EVITAR:

  • Devo evitar ter amizades íntimas com pessoas que não têm os mesmos princípios que eu;

  • Não posso me apresentar em locais que não respeitem minha fé e prática.

DESTAQUES:

“[…] o relato de Diná, quase a única sobrevivente do capítulo, levanta questões sérias. Pergunta-se por exemplo, […] se alguém lhe contara acerca da necessidade de uma proteção especial para qualquer mulher quando na terra de povos pagãos? […] Qual o valor que nós damos à virgindade? É uma questão de honra, um dos absolutos de Deus? […] Qual a proteção que estamos dando às nossas garotas? Como orientá-las devidamente? Como estabelecer limites no que diz respeito a participar de festas, a dormir fora de casa, a ir à praia com colegas descrentes? Limites sensatos, e não um legalismo retrógrado nem uma superproteção que prenda as meninas em casa o tempo todo, a ponto de criar aquele misto perigoso de curiosidade e raiva. […].”

Joyce Elizabeth W. Every-Clayton, em “Fale, Mulher 3”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

EVERY-CLAYTON, Joyce Elizabeth W. FALE, MULHER. Vol. 3. João Pessoa: Betel Publicações, 2011.

SCHIMIDT, Alaid Schiavone. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA DE TEMAS FEMININOS – Com Ênfase nos Assuntos da Família. São Paulo: Arte Editorial, 2008.

27. MULHER DA BÍBLIA: Timna

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 36:12, 22

SIGNIFICADO DO NOME: Significa “Inacessível”.

LOCAL: Monte Seir

ÉPOCA: ~ 1720 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • A Bíblia não menciona qualquer relacionamento de Timna com Deus.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • SENHOR (esposo): Elifaz

  • IRMÃO: Lotã

  • FILHO: Amaleque

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Esaú

RESUMO DA VIDA:

Timna era uma princesa, da tribo aborígene dos horeus que habitavam nas cavernas do Monte Seir. Seu irmão, Lotã, era o governador e foi subjugado pelos descendentes de Esaú. Timna foi capturada e se tornou concubina de Elifaz, filho de Esaú e Ada. Ela teve 1 filho com Elifaz, cujo nome era Amaleque, representante da tribo que ficou conhecida como “o primeiro das nações” (Gn 14:7; Nm 24:20). Amaleque sucedeu seu meio-irmão Gaetã, e se tornou o governador de Edom, ao sul de Judá.

PROPÓSITO:

  • Gerou um filho que tinha o sangue real nas veias, mas infelizmente seus descendentes se tornaram inimigos do povo de Deus e, por isso, foram condenados à morte (Dt 25:19).

DEVO IMITAR:

  • Devo manter a minha postura mesmo quando perder uma posição de honra.

DEVO EVITAR:

  • Preciso da orientação de Deus para criar meus filhos com princípios eternos.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

28. MULHERES DA BÍBLIA: As noras de Jacó

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 37:34; 38: 2-5,12; 41:45,50; 46:5,7,10,17,20,26

LISTA:

Sra. Rúben

Sra. Simeão 1

Sra. Simeão 2 – uma cananeia

Sra. Levi

Srta. Suá, cananeia, tornou-se a esposa de Judá

Sra. Dã

Sra. Naftali

Sra. Gade

Sra. Aser

Sra. Issacar

Sra. Zebulom

Azenate, em egípcio significa “Dedicada a Neith” (“Dedicada a X”), esposa de José

Sra. Benjamim

LOCAIS: Canaã e Egito

ÉPOCA: ~ 1730 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • A Bíblia não menciona o relacionamento dessas mulheres com Deus.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • SOGROS: Jacó, Léa e Raquel

  • PAI:

    Pai de Sra. Judá – Suá

    Pai de Azenate – Potífera, sacerdote de Om

  • FILHOS:

Sra. Rúben: Enoque, Palu, Hezrom e Carmi

Sra. Simeão 1: Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar

Sra. Simeão 2 – uma cananeia: Saul

Sra. Levi: Gérson, Coate e Merari

Sra. Judá – uma cananeia: Er, Onã, Selá

Sra. Dã: Husim

Sra. Naftali: Jazeel, Guni, Jezer e Silém

Sra. Gade: Zifiom, Hagi, Suni, Esbom, Eri, Arodi e Areli

Sra. Aser: Imna, Isvá, Isvi, Berias e Sera, a irmã deles

Sra. Issacar: Tola, Puva, Jó e Sinrom

Sra. Zebulom: Serede, Elom e Jaleel

Azenate, esposa de José: Manassés e Efraim

Sra. Benjamim: Belá, Bequer, Asbel, Gera, Naamã, Eí, Rôs, Mupim, Hupim e Arde

Obs.: Tamar gerou 2 filhos de Judá, Perez e Zerá, mas não se tornou esposa dele. Ficou viúva de Er e Onã, e embora prometida a Selá, não se casou com ele.

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Suá, Faraó

RESUMO DA HISTÓRIA:

As 14 mulheres registradas, concederam 51 netos a Jacó, fora as netas, dentre as quais apenas 1 teve o nome registrado: Sera, filha de Aser. Embora nem todas fossem do mesmo povo, formaram a nação de Israel, o povo separado para Deus. A Bíblia concede alguns poucos detalhes sobre elas, ao que parece, somente as estrangeiras receberam uma menção. A segunda esposa de Simeão era cananeia e lhe deu um filho por nome Saul. A esposa de Judá, uma cananeia que habitava em Adulão, seu pai se chamava Suá, concebeu 3 filhos, dos quais, dois o SENHOR matou, ela também faleceu muito cedo. A esposa de Aser concebeu uma filha chamada Sera. A esposa de José, Azenate, era egípcia, seu pai era o sacerdote de uma cidade egípcia, chamada Om. Podemos afirmar que todas essas mulheres foram abençoadas com as mesmas bênçãos destinadas a Abraão, Isaque, Jacó e seus maridos.

PROPÓSITO:

  • Formaram as 12 tribos da nação de Israel gerando filhos.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar o prazer que essas mulheres tiveram ao conceber filhos, suas verdadeiras heranças.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

29. MULHER DA BÍBLIA: Tamar

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 38:6-30

SIGNIFICADO DO NOME: “Tâmara (palmeira)”

LOCAL: Quezibe, Timna, Canaã

ÉPOCA: ~ 1695 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Tamar lutou para ser incluída na linhagem do Messias

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • ESPOSOS: Er e Onã

  • SOGRO E PAI DE SEUS FILHOS: Judá

  • FILHOS GÊMEOS: Perez e Zerá

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Selá

RESUMO DA VIDA:

Tamar era uma cananeia, que Judá escolheu para ser a esposa de seu primogênito, Er. Deus matou Er por ser um homem mau, Tamar ficou viúva e sem filhos. Judá cumpriu a Lei do Levirato, o dever do cunhado de casar com a cunhada e gerar filhos para o irmão que ficou sem descendência, Onã ficou com Tamar. Entretanto, ele praticava o coitus interruptus, para não dar descendência ao seu irmão. Deus matou Onã por causa disso. Judá ficou com medo de entregar Selá e este morrer, enviou a viúva para a casa do pai com a desculpa de esperar o garoto alcançar idade para casar. Quando Tamar viu que o rapaz já tinha idade para casar e não fora entregue a ele, executa seu plano de engravidar do sogro e assim suscitar semente à memória de seus maridos. Ela se veste como uma prostituta cultual e fica à estrada por onde Judá passaria. Como o previsto, Judá teve relações com Tamar, que muito inteligente pediu objetos pessoais de Judá pensando já como se acobertar da possível gravidez. Tamar engravida de gêmeos, intentam queimá-la viva, mas ela apresenta os objetos pessoais de Judá e escapa justificada. Judá reconhece que Tamar era mais justa que ele, não a tocou mais depois disso e reconhece os filhos, Perez e Zerá como seus. O nome de Tamar é mencionado, em Mateus 1:3, na genealogia de Jesus.

PROPÓSITO:

  • Gerar filhos para dar continuidade à genealogia que culminou em Cristo.

DEVO IMITAR:

  • Devo imitar a coragem, inteligência e determinação de Tamar para conseguir meus direitos.

DESTAQUES:

“Tamar insiste no seu direito a um marido e filhos. E esse direito ela busca com astúcia e inteligência, o que causa grande admiração. A história pode até parecer escandalosa, mas […] O destino de Tamar também chama a atenção, pois Deus usa até uma prostituta disfarçada para realizar os seus planos. Afinal, o filho de Tamar virá a ser antepassado do rei Davi, fazendo com que sua mãe seja incluída na árvore genealógica de Jesus. A Bíblia demonstra a sua imensa amplitude e sabedoria ao relatar a história de Tamar sem emitir qualquer julgamento moral.”

Eva Mündlein, em “Histórias de Mulheres da Bíblia”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO APLICAÇÃO PESSOAL. Versão Almeida Revista e Corrigida. Ed. 1995. São Paulo: CPAD, 2010.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

MÜNDLEIN, Eva. HISTÓRIAS DE MULHERES DA BÍBLIA. Tradução: Irene Reinhold. Sociedade Bíblica do Brasil, 2010.

30. MULHER DA BÍBLIA: A Esposa de Potifar

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 39:6-19

SIGNIFICADO DO NOME: A Bíblia não menciona seu nome.

LOCAL: Egito

ÉPOCA: ~ 1690 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Ela não servia a Deus.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • ESPOSO: Potifar

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: José

RESUMO DA VIDA:

A esposa de Potifar, apesar de ser uma mulher rica e bem casada, ambicionou o escravo hebreu, José. Por muito tempo o assediou sem êxito, até chegar ao ponto de tentar seduzi-lo a força. Como José escapou, ela quis se vingar de seu desafeto. José foi para a prisão e ela continuou com sua vida promíscua.

PROPÓSITO:

  • A esposa de Potifar não conheceu seu propósito, tentou o jovem José e não aceitou sua recusa para pecar.

DEVO EVITAR:

  • Não posso cometer pecado sexual (adultério ou fornicação). Preciso amar e me contentar com o meu esposo.

  • Não posso induzir o outro a erro. Preciso me purificar e não dar vazão aos instintos da carne.

DESTAQUES:

“Esta era uma mulher com tempo de sobra em suas mãos […] ela não tinha nada melhor a fazer a não ser pensar como seduzir o jovem e belo escravo recém-chegado. […] Deus nos alerta contra o adultério por boas razões. Casos destroem o laço entre marido e mulher e destroem muitos casamentos […] Quando sentimos uma forte atração por um amigo, vizinho ou colega de trabalho, precisamos limitar nossa interação com ele. […] A esposa de Potifar estava acostumada a ter o que queria, quando queria. […] Quando não temos o que queremos, nosso verdadeiro caráter é revelado. […] Quando José recusou as investidas sexuais, […] Ela usou a prova de sua inocência para acusá-lo de um crime. […] Infelizmente, algumas de nós usam falsas acusações contra outras pessoas para encobrir nossa própria vergonha. Agir assim aumenta nossa culpa e prejudica o inocente. […]”

Dianne Neal Matthews, em “Um ano com as mulheres da Bíblia”

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

BÍBLIA DE ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

MATHEWS, Dianne Neal. UM ANO COM AS MULHERES DA BÍBLIA. Tradução por: Elisa Tisserant de Castro. Curitiba: Publicações Pão Diário, 2016.

31. MULHER DA BÍBLIA: Sera

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 46:17

SIGNIFICADO DO NOME: “Abundante”

LOCAL: Canaã e Egito

ÉPOCA: ~ 1677 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Sera foi uma mulher muito abençoada por Deus.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • PAI: Aser

  • AVÔ: Jacó

  • IRMÃOS: Imna, Isvá, Isvi e Berias

RESUMO DA VIDA:

Aser teve 4 filhos e 1 mulher, Sera. Ela foi a única das netas de Jacó que foi citada. As listas e genealogias na Bíblia contém nomes predominantemente masculinos, devido a posição de liderança dada por Deus ao homem. E mesmo assim, Sera se destaca. CHAMPLIN (2001) afirma que cada nome citado nessa lista de Gênesis 46, era o cabeça do clã. Portanto, temos aqui uma matriarca que foi a líder de seu próprio clã. Não sabemos se seu esposo faleceu e por isso, coube a ela essa responsabilidade, ou se ela foi tão influente e sábia que mereceu essa menção honrosa. Quando seu avô, Jacó, foi chamado para descer ao Egito, ela e todo seu clã, família e parentes o acompanharam. Ela estava submissa ao seu chefe

PROPÓSITO:

  • Ser uma excelente mãe;

  • Mostrar às mulheres que ao se destacarem em suas funções recebem o devido reconhecimento.

DEVO IMITAR:

  • Preciso me dedicar à minha família e me aperfeiçoar em exercer uma boa influência na vida deles.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

32. MULHERES DA BÍBLIA: Me-Zaabe, Matrede e Meetabel

REFERÊNCIA BÍBLICA: Gênesis 36:39

SIGNIFICADOS DOS NOMES:

  • Me-Zaabe: “Águas de ouro”

  • Matrede: “Impulsionadora”

  • Meetabel: “Beneficiada por Deus”

LOCAL: Edom, Pau.

ÉPOCA: ~ 1600 a.C.

RELACIONAMENTO COM DEUS:

  • Não é mencionado.

RELACIONAMENTOS COM O PRÓXIMO:

  • AVÓ: Me-Zaabe

  • MÃE: Matrede

  • FILHA: Meetabel

  • REI: Hadar

  • PESSOAS ENVOLVIDAS: Esaú (que é Edom)

RESUMO DA VIDA:

Meetabel é citada logo após uma lista de 8 reis de Edom, ela é a esposa de Hadar, o 8º rei de Pau. O mais interessante é o detalhe que é colocado sobre Meetabel: filha de Matrede, filha de Me-Zaabe. Os estudiosos não sabem explicar o motivo de os nomes delas serem citados. Mas, certamente elas foram mulheres de uma tradição honrada na comunidade onde habitavam.

PROPÓSITO:

  • Destacar as 3 gerações de mulheres idumeias honradas.

DEVO IMITAR:

  • Posso ser uma mulher de valor e iniciar em minha geração e nas vindouras uma sucessão de mulheres honradas.

REFERÊNCIAS CONSULTADAS:

A BÍBLIA EM ORDEM CRONOLÓGICA: Nova Versão Internacional/edição autorizada da obra de Edward Reese (org.); tradutor Judson Canto (títulos e textos explicativos). São Paulo: Editora Vida, 2003.

ESTUDO DA MULHER DE FÉ: Nova Versão Internacional. Editora Geral: Jean E. Syswerda. Tradução: Cecília Eller. São Paulo: Editora Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russell Norman. DICIONÁRIO A-Z. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 6 e 7.

CHAMPLIN, Russell Norman. O ANTIGO TESTAMENTO INTERPRETADO: VERSÍCULO POR VERSÍCULO: Gênesis. São Paulo: Hagnos, 2001. Vol. 1.

Ocupações em Gênesis

CO-ADMINISTRADORA E MÃE (Gênesis 1:28)

A mulher foi criada para, junto com o homem, multiplicar, subjugar e dominar a terra. Mas, a desobediência mudou tudo. A principal função da mulher passa a ser gerar e cuidar dos filhos e se torna dominada pelo marido (Gn 3:16).

ESCRAVAS E CONCUBINAS (Gênesis 14:16)

Em guerras as mulheres eram consideradas um espólio valioso. Tomar as mulheres do inimigo, significava humilhar o oponente carregando seu troféu. Essas mulheres geralmente serviam como escravas e concubinas de seus inimigos.

SERVAS (Gênesis 16:1)

As servas eram concedidas pelos pais como dote às suas senhoras quando estas casavam. As servas auxiliavam nas tarefas de administração do lar. Serviam também como barriga de aluguel, o filho gerado era considerado legítimo do senhor e tomado pela senhora.

CONCUBINAS (Gênesis 16:2)

Mulheres escravas ou cativas que serviam ao homem com finalidades sexuais para conceber filhos.

MÃE DE NAÇÕES (Gênesis 17:15)

As primeiras mulheres da Bíblia concebiam filhos que se tornavam os clãs de suas próprias famílias. Em especial, Sara, se tornou a matriarca do povo de Israel.

MULHERES DO HARÉM (Gênesis 20:17-18)

Mulheres bonitas são, para o homem, status de riqueza. Essas mulheres eram selecionadas a dedo pelos reis e líderes da terra, que mesmo possuindo a esposa principal, acumulavam para si a maior quantidade possível de lindas concubinas.

JOVENS A BUSCAR ÁGUA (Gênesis 24:11)

A última tarefa doméstica do dia era as jovens em grupos saírem para buscar água no final da tarde. A água servia para as necessidades noturnas, horário no qual as pessoas ficavam recolhidas em seus lares.

COZINHEIRAS (Gênesis 27:9)

A tarefa de cozinhar não era exclusiva da mulher, mas era uma das tarefas domésticas executadas por ela. O alimento era provido pelo homem e podia ser cozido pela mulher.

PASTORA DE OVELHAS (Gênesis 29:9)

Era costume do pai de família colocar o filho caçula para cuidar de seu rebanho. Encontramos Raquel, uma mulher muito bonita, como a pastora de ovelhas de seu pai Labão, a tarefa, mais tarde, passou a ser assumida por Jacó, seu primo.

DONAS DE HERANÇA (Gênesis 31:14)

As mulheres naquela época recebiam heranças de seus pais. A herança consistia essencialmente em terras e gado.

PROSTITUTA (Gênesis 34:31; 38)

Mulheres que entregavam seu corpo por dinheiro, geralmente relacionado a alguma prática religiosa pagã (chamadas de prostitutas cultuais). Esse costume era comum entre as pessoas que não serviam a Deus.

AMA (Gênesis 35:8)

A ama era uma serva encarregada de amamentar e cuidar da criança, ela alcançava a posição de parte da família.

PARTEIRA (Gênesis 35:17)

As mulheres, depois de Eva, se especializavam em instruir e auxiliar a mulher que estava para dar à luz. Raquel, quando teve trabalho de parto, recebeu palavras de ânimo de sua parteira.

PRINCESAS E RAINHAS (Gênesis 36:39)

Muito antes dos filhos de Israel constituírem reis sobre a nação, os povos de Edom e os demais, se organizavam em reinos.

DADOS DE TEMAS E NOMES EM GÊNESIS

TEMAS FEMININOS

MULHERES SEM NOMES

NOMES DE MULHERES

  1. Ama

  2. Auxiliadora

  3. Co-administradora e mãe

  4. Coluna em memória a Raquel

  5. Companheira

  6. Concubina

  7. Concubinas

  8. Correspondente

  9. Cozinheiras

  10. Donas de herança

  11. Escravas

  12. Fêmea

  13. Grávida

  14. Idosa

  15. Ishah, mulher

  16. Jovens a buscar água

  17. Mãe de nações

  18. Mães e crianças

  19. Mulheres do harém

  20. Parteira

  21. Pastora de ovelhas

  22. Prostituta

  23. Prostituta

  24. Servas

  1. A esposa de Judá

  2. A esposa de Potifar

  3. a parteira de Raquel

  4. As filhas de Deus

  5. As filhas de Jacó

  6. As filhas de Sem, Arfazade, Salá, Héber, Pelegue, Reú, Serugue, Naor

  7. As filhas dos cananeus

  8. As filhas dos homens

  9. As mulheres de Ló (esposa e filhas)

  10. as servas de Rebeca;

  11. Concubinas de Abraão

  12. Esposa de Caim

  13. Esposa e filhas de Ló

  14. esposa e noras de Noé

  15. Esposa e servas de Abimeleque

  16. Filhas de Labão

  17. mãe de Rebeca

  18. Mulher cananeia

  19. mulher hebreia

  20. Mulheres dos irmãos de José

  21. mulheres jovens a buscar água

  22. Mulheres, filhas e netas de Jacó

  23. Noras de Jacó

  24. Uma cananeia, esposa de Simeão e mãe de Saul

  1. Ada/Basemate

  2. Azenate

  3. Bila, serva de Raquel

  4. Débora, a ama de Rebeca

  5. Diná

  6. Eva

  7. Hagar

  8. Judite/Oolibama

  9. Léia

  10. Maalate/Basemate

  11. Me-Zaabe, Matrede e Meetabel

  12. Milca

  13. Naamá

  14. Oolibama

  15. Quetura

  16. Raquel

  17. Rebeca

  18. Reumá

  19. Sarai/Sara

  20. Sera, a filha de Aser

  21. Tamar

  22. Timna

  23. Zilá

  24. Zilpa, serva de Léia

TOTAL DE MENÇÕES DE MULHERES E TEMAS FEMININOS EM GÊNESIS: 706

PDFs – Mulheres em Gênesis:

PDF – MULHERES DA BÍBLIA – JANEIRO


PDF – MULHERES DA BÍBLIA – FEVEREIRO

Mulheres da Bíblia: Rebeca

Este é um excerto do livro de Walter Wangerin “O Livro de Deus: A Bíblia Romanceada“. Conta a história de amor de Rebeca (Gênesis 24). Boa leitura!

LisLand Rebeca e Isaque

Por Walter Wangerin

Nas cercanias da cidade onde o irmão de Abraão, Naor, vivera e morrera, havia uma fonte de água doce. Abundante e confiável, o poço abastecia tanto a cidade quanto os viajantes que por ali passavam, caravanas transportando preciosos bens para leste e oeste.

Para tirar água desse poço, a mulher era obrigada a descer degraus de pedra irregular, ajoelhar-se e mergulhar a jarra na água corrente, erguendo depois o vaso cheio ao ombro para subir novamente os degraus. Logicamente, animais de carga não podiam descer até a grota e assim a água era levada para cima nas jarras e despejada em cochos de pedra talhados ao nível do chão.

Rebeca conhecia bem o poço e a rotina. Diariamente, ao crepúsculo ia com um grupo de amigas tirar água para suas famílias – mulheres jovens e cheias de vida, jarras aos ombros, soltando gargalhadas como bandos de passarinhos. Rebeca caminhava mais silenciosamente que outras. Era alta. Andava com um passo mais longo e gracioso. A testa alta indicava inteligência e um ar de convicção imediata. Mesmo cercada por multidões, essa mulher parecia isolada.

E então, certo fim de tarde, quando as mulheres subiam os degraus do poço com as jarras repletas de água, aconteceu de um velho adiantar-se e falar a Rebeca, como se ela fosse a única ali.

— Por favor – disse ele – será que posso beber um pouco dessa sua jarra?

Nitidamente tratava-se de um viajante, empoeirado da estrada, cansado e bem velho, velho o suficiente para ser avô da moça. Rebeca viu dez camelos ajoelhados aqui e ali, em torno do poço, as cabeças erguidas.

Suas amigas ficaram a observar por um momento, depois se afastaram. Escurecia, e Receba podia tomar conta de si.

— Sim – disse ela, baixando a jarra à mão. — Claro que sim; beba, por favor.

O forasteiro tomou um gole somente, sem tirar os olhos do rosto da moça.

— Vou pegar água para os camelos também, senhor – disse ela.

E foi fazê-lo. Descia e subia os degraus de pedra, despejando água nos cochos. Com o velho ainda a fitá-la, cutucou com jeito um dos animais, que então levantou-se e lentamente foi beber. Os outros o seguiram. E Rebeca continuou enchendo os cochos até que todos os dez camelos ficaram satisfeitos.

Já estava escuro quando terminou.

E quando o velho novamente se aproximou dela, tinha nas mãos objetos tão polidos e bolos que chegavam a brilhar. Um anel de ouro e dois braceletes também de ouro.

— De quem você é filha? – perguntou.

— Sou filha de Betuel, filho de Naor – respondeu-lhe Rebeca.

— Naor – murmurou o forasteiro – conheço Naor. – Pronunciou o nome com tanta emoção que parecia a ponto de rebentar em lágrimas. Alcançou a mão de Rebeca e delicadamente deslizou o anel em seu dedo.

— Será que a casa de Betuel tem espaço para hospedar a mim e minha comitiva por algum tempo? – tornou a perguntar.

— Temos palha e forragem, sim. E espaço, sem dúvida.

Então o velho caiu de joelhos e ergueu os braços, cantando com voz suave:

— Bendito seja o Senhor, o Deus de meu mestre Abraão! Ele me guiou à casa de seus parentes.

Sem erguer-se ainda, cingiu os braceletes em torno dos braços de Rebeca, e disse:

— Vá, por favor. Rogo-lhe que arrume acomodação para passarmos a noite.

O pai de Rebeca estava então idoso e enfermo. Era seu irmão Labão que tomava a maioria das decisões da família. […] Após o irmão ter saído, Rebeca e sua mãe prepararam mais comida.

Algum tempo depois, ouviram a voz de Labão lá fora. Ele mesmo tirava as rédeas dos camelos. Ordenava aos servos que trouxessem água para lavar os pés do forasteiro. E disse:

— Entre, ó bendito do Senhor. Entre e coma.

Mas já dentro de casa, a comida posta à sua frente, o velho recusou-se a comer.

— Não antes de haver proferido minha mensagem – falou.

— Fale então, amigo! – disse Labão.

— Sou servo de Abraão – disse-lhe. — O Senhor abençoou fartamente meu amo com ovelhas e bois, com ouro e prata, servos, criadas, camelos e burros.

— Mas Abraão – continuou – tem só um filho, Isaque. E me fez jurar, na terra de Canaã, voltar a esta terra e à casa de seus parentes, aqui, a fim de encontrar uma esposa para Isaque. Hoje mesmo chegue ao poço próximo à sua cidade e orei a Deus para que trouxesse êxito à minha missão. Eu disse então: “Ó Senhor, quando eu pedir a uma moça que me dê de beber, se ela disser: ‘Beba, que vou tirar água para seus camelos também’, seja ela então a mulher que o Senhor escolheu para o filho de meu amo”. E eis que, antes ainda que eu tivesse acabado de orar, apareceu sua irmã. Veio Rebeca. Veio aquela bela mulher e fez tudo o que eu havia pedido ao Senhor. […]

— Rebeca, filha de Betuel – disse ele. Ela deu alguns passos em direção à luz. — Receba estas coisas. – E então lhe entregou jóias de aro e prata, além de vestidos finamente tecidos. Deu também presentes caros ao irmão e à mãe da moça.

Afinal, comeu a ceia.

Na manhã seguinte, disse aos anfitriões:

— Peço que me permitam voltar agora a meu senhor. Ele é velho e não poderá viver muito mais.

— Ah, senhor, não! – disse-lhe Labão. – Deixe que a moça tenha tempo para se despedir. Seja nosso hóspede enquanto isso. Pelo menos dez dias.

— Por favor – disse o servo – A jornada é longa. Logo vem a estação das chuvas. Por favor.

— Que Rebeca decida, então – respondeu Labão.

— Eu vou – pronunciou-se Rebeca, imediatamente.

E assim Rebeca, essa mulher de convicção ligeira e total autoconfiança, em uma noite e um dia transformou sua vida desse ponto em diante e para sempre.

No mês que se seguiu, Rebeca e o velho servo viajaram de sua casa em Padã-Arã pela mesma estrada que o próprio Abraão havia tomado há mais de 65 anos – um longo caminho rumo ao sul. Cruzaram o rio Jordão em Sucote e avançaram ainda mais para o sul, além do Mar Morto, chegando ao Negueve.

Ao final da tarde do trigésimo dia, quando os camelos moviam-se com exausto langor, Rebeca ergueu os olhos e viu um homem caminhando sozinho pelos campos, a cabeça baixa, meditativo.

— Quem é aquele? – perguntou.

Apeou do camelo e dirigiu-se ao velho servo de Abraão:

— Vê aquele homem ao longe? – perguntou. — Quem é ele?

— Ah, é o filho de meu senhor. Aquele é Isaque.

Então Rebeca cobriu o rosto com um véu e aguardou ser vista pelo homem que se tornaria seu marido.

No Negueve, então, Isaque levou Rebeca à sua tenda, onde a tomou por esposa, e ele a amou de todo o coração. Jamais amou outra enquanto viveu.

— Assim que vi essa mulher em pé, alta, ao lado de um campo branco, apaixonei-me por ela – disse ele.

Tinha 40 anos na época.